Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.941,68
    +51,80 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.463,55
    +320,55 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,07
    +0,98 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +3,40 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    28.793,50
    -255,24 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,79
    -3,71 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.717,50
    +438,25 (+3,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0751
    -0,0429 (-0,84%)
     

Mochila com "radar laser" pode ajudar futuros astronautas a explorar a Lua

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Um novo sistema de mapeamento remoto promete ajudar futuros astronautas a explorar as regiões do polo sul da Lua. Desenvolvido pela NASA em conjunto com parceiros da indústria, o sistema Kinematic Navigation and Cartography Knapsack (KNaCK) é um scanner Lidar (uma espécie de "radar laser") móvel, ou seja, um método de sensoriamento remoto que opera através da detecção de luz e alcance de laser — com a diferença de que ele é montado em uma estrutura de “mochila”.

O projeto KNaCK foi idealizado em 2020, com apoio do programa Early Career Initiative, da NASA. Basicamente, o sistema usa um tipo de lidar de onda contínua modulada em frequência (FMCW) capaz de criar um sistema de navegação em tempo real, que oferece ao explorador um mapa tridimensional em alta resolução do terreno em seus arredores.

Zanetti testando um protótipo do sistema KNaCK (Imagem: Reprodução/NASA/Michael Zanetti)
Zanetti testando um protótipo do sistema KNaCK (Imagem: Reprodução/NASA/Michael Zanetti)

Para o Dr. Michael Zanetti, líder do projeto e cientista planetário na NASA, o KNaCK é uma espécie versão “superpoderosa” dos alarmes de proximidade, que ajudam os carros a evitar colisões. “Basicamente, o sensor é uma ferramenta para a navegação e mapeamento científico, capaz de criar mapas 3D com resolução ultra alta e precisão no nível dos centímetros, fornecendo contexto científico rico”, explicou ele.

Os membros do projeto já testaram o sistema KNaCK em uma antiga cratera vulcânica e o usaram para uma reconstrução tridimensional das dunas no Kennedy Space Center, na Flórida. Agora, eles planejam um novo teste ainda em abril, e depois vão trabalhar na redução do tamanho do hardware (hoje, o protótipo da mochila pesa quase 20 kg) e aumento da resistência de compostos eletrônicos sensíveis.

Como a tecnologia ajudará exploradores

Um dos maiores desafios que aguardam os futuros astronautas do programa Artemis será a exploração do polo sul lunar; ali, o Sol nunca fica mais de 3º acima do horizonte, de modo que grande parte do terreno fica no escuro. Assim, a ferramenta poderá trazer mais segurança aos astronautas, identificando distâncias reais a pontos de interesse e mostrando em tempo real até onde chegaram e quanto falta para chegarem aos seus destinos.

Abaixo, você confere uma animação de demonstração da tecnologia do KNaCK:

Ao utilizar o KNaCK durante deslocamentos com rovers ou até a pé, os exploradores podem mapear a topografia da paisagem com alta precisão, identificando cavernas, montanhas e outras formações. Como o lidar funciona mesmo na escuridão, os astronautas ficam livres da necessidade de transportar iluminação para os lugares que forem. “Enquanto seres humanos, nós temos a tendência de nos orientar com base em formações no solo, como uma estrutura, árvores; essas coisas não existem na Lua”, disse Zanetti.

Com o KNaCK, os astronautas vão conseguir explorar a superfície lunar e vão poder determinar seu movimento, direção e orientação em relação a picos distantes ou à base de operações. “Eles podem até marcar locais específicos onde encontraram minerais únicos ou formações rochosas, para que assim outros possam voltar para lá com mais facilidade para novos estudos”, sugeriu.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos