Mercado fechará em 2 h 13 min
  • BOVESPA

    111.725,61
    +1.145,80 (+1,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.216,43
    +499,36 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,13
    +3,80 (+3,44%)
     
  • OURO

    1.847,50
    +1,20 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    29.602,45
    -118,83 (-0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    649,04
    -12,11 (-1,83%)
     
  • S&P500

    4.064,31
    +85,58 (+2,15%)
     
  • DOW JONES

    32.697,98
    +577,70 (+1,80%)
     
  • FTSE

    7.564,92
    +42,17 (+0,56%)
     
  • HANG SENG

    20.116,20
    -55,07 (-0,27%)
     
  • NIKKEI

    26.604,84
    -72,96 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    12.296,25
    +354,00 (+2,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1156
    -0,0288 (-0,56%)
     

Mobilidade no emprego de millennials deve cair devido à pandemia

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A mobilidade no emprego - essencial para um mercado de trabalho dinâmico - pode ser vítima da pandemia de coronavírus, segundo dados da Deloitte Global Millennial Survey 2020.

Após vários anos de aumento, menos de 30% dos millennials agora esperam mudar de emprego nos próximos dois anos, de acordo com a pesquisa global. Os jovens citaram a necessidade de estabilidade como uma das razões para permanecerem no emprego atual. Outra razão pode ser que os mais velhos desse grupo estão perto dos 40 anos, portanto, a idade pode influenciar as respostas.

A Deloitte pesquisou millennials, nascidos entre janeiro de 1983 e dezembro de 1994, e a geração Z, os nascidos entre janeiro de 1995 e dezembro de 2003.

A parcela dos millennials que disseram que estão aptos a sair em dois anos ou menos caiu de 49% no ano passado para 31%, enquanto a proporção dos que esperam permanecer no emprego atual por cinco ou mais anos aumentou de 28% para 35%. Segundo o Escritório de Estatísticas do Trabalho dos EUA, pessoas nascidas no início dos anos 80 no país mantinham uma média de 8,2 empregos entre 18 e 32 anos.

Os resultados da geração Z mostraram que metade desses jovens gostaria de mudar de emprego em dois anos, abaixo dos 61% do ano passado.

Quando a crise acabar, seis em cada dez entrevistados disseram que gostariam de trabalhar remotamente em vez de se mudar por um emprego, embora a geração Z esteja mais interessada em se mudar. E mais da metade - 56% - de ambos os grupos disse que, se tiver a oportunidade de trabalhar em casa, escolheria morar fora das grandes cidades, onde o custo de vida é menor.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos