Mercado abrirá em 5 h 44 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,38
    +0,48 (+0,74%)
     
  • OURO

    1.834,70
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    58.760,32
    +590,86 (+1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.565,78
    +130,00 (+9,05%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.154,41
    +24,70 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    28.556,83
    -53,82 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.678,50
    -31,25 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Moagem de trigo no Brasil sobe 1% em 2020 para 12,7 mi t, diz Abitrigo

·1 minuto de leitura
.

SÃO PAULO (Reuters) - A moagem de trigo alcançou 12,7 milhões de toneladas em 2020, avanço de 1% em relação ao ano anterior, conforme levantamento da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) divulgado nesta terça-feira.

O desempenho foi puxado, principalmente, pelos moinhos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. No Paraná, que sozinha representou 3,6 milhões de toneladas processadas, houve queda de 1,7% no comparativo anual, fato que limitou o avanço da categoria.

A moagem subiu 4,7% na indústria gaúcha, para 1,95 milhão de toneladas, enquanto o processamento avançou 2,8% em São Paulo, para 1,65 milhão de toneladas.

A participação da indústria de Santa Catarina é menor, mas o crescimento foi o mais expressivo, de 8,9% no comparativo anual, para 547,17 mil toneladas.

A Abitrigo ainda informou que os moinhos do Norte e Nordeste que juntos somaram 3,6 milhões de toneladas processadas, tiveram uma leve variação de 0,2% em relação ao ano anterior.

A indústria de trigo lida com margens apertadas pelo alto custo com o cereal, impulsionado pelo dólar, mas, em contrapartida, viu uma elevação na demanda por produtos à base de farinha durante o período de isolamento causado pela pandemia da Covid-19, desde de o ano passado.

(Por Nayara Figueiredo)