Mercado abrirá em 6 h 29 min

Mitre levanta R$ 1,18 bilhão e precifica ação na máxima em IPO

Jader Lazarini
Mitre levanta R$ 1,18 bilhão e precifica ação na máxima em IPO

A construtura Mitre informou, na última segunda-feira (3), que levantou R$ 1,18 bilhão em sua oferta pública inicial (IPO) de ações. Dessa forma, a companhia confirma a precificação da ação na máxima da faixa indicativa prevista, de R$ 19,30.

Além de realizar uma oferta primária, a Mitre também ofertará ao mercado ações secundárias, papéis detidos por Fabrício Mitre e Jorge Mitre, integrantes da família fundadora. Portanto, apenas parte do valor captado na abertura de capital irá para o caixa da empresa.

Devido a forte demanda, a construtora abriu ao mercado o lote adicional de 4,2 milhões de ações. Sendo assim, levando em consideração o lote padrão e o suplementar, foram ofertadas 61,4 milhões de papéis.

Confira: RELATÓRIO GRATUITO - TUDO SOBRE O IPO DA MITRE

O capital levantado será utilizado para a compra de terrenos e no suporte para com os custos de construção e despesas operacionais da Mitre. A oferta foi coordenada pelos bancos:

  • BTG Pactual
  • Bradesco BBI
  • Itaú BBA

A construtora e incorporadora paulistana é especializada em imóveis de média e alta renda e será negociada com o ticker MTRE3 a partir da próxima quarta-feira (5) na Bolsa de Valores de São Paulo (B3).

Mitre estreia na bolsa

O pedido de IPO da contrutora foi registrado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no início de dezembro do ano passado.

A construtora levanta empreendimentos de médio e alto padrão, sobretudo em São Paulo. A empresa possui um portfólio de mais de 20 plantas, além de um estoque de terrenos estimado em R$ 4,6 bilhões.

Segundo informações disponíveis no site da empresa, o último projeto concluído contou com 94% das unidades aceitas na primeira vistoria. Além disso, a companhia anunciou que foi certificada no Sistema de Gestão de Qualidade pelas Normas ISO 9001 e PBQP-H SiAC.

Em 2020, além da Mitre, Kallas, Cury, You,Inc e Moura Deubeux devem abrir seu capital na bolsa brasileira.

Antes da Mitre, a última vez que uma construtora estreou na B3 foi em 2009, quando a Direcional (DIRR3) abriu capital.