Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,51 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,10 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,47
    -0,68 (-0,94%)
     
  • OURO

    1.824,60
    -36,80 (-1,98%)
     
  • BTC-USD

    38.820,69
    -1.160,90 (-2,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    963,67
    -28,80 (-2,90%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,63 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.429,34
    -7,50 (-0,03%)
     
  • NIKKEI

    28.906,75
    -384,26 (-1,31%)
     
  • NASDAQ

    13.906,00
    -75,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0771
    +0,0151 (+0,25%)
     

Missão Solar Orbiter registra sua primeira erupção solar: veja vídeo

·2 minuto de leitura
Missão Solar Orbiter registra sua primeira erupção solar: veja vídeo
Missão Solar Orbiter registra sua primeira erupção solar: veja vídeo

A missão “Solar Orbiter” registrou a sua primeira erupção solar – um marco bastante antecipado em sua história, considerando que a “missão” sequer começou. Coordenada e executada em conjunto entre a Nasa e a Agência Espacial Europeia (ESA), a Solar Orbiter tem por objetivo estudar diversos fenômenos do sol, mas os dados coletados só começarão a ser estudados em novembro deste ano.

As erupções solares – ou “ejeções de massa coronal”, se você quiser ser técnico – são, como já diz o nome, um tipo de erupção de gás ionizado em alta temperatura dispensado na atmosfera. Basicamente, um pedaço da atmosfera do sol se desprende e viaja para longe. Na Terra, isso pode ter efeitos interessantes, como tempestades geomagnéticas que causam dificuldades em circuitos elétricos e meios de comunicação.

Veja o vídeo capturado pela Solar Orbiter abaixo:

Leia também

Na hora do registro, a missão estava situada mais ou menos na metade da distância entre a Terra e o sol, mas em um ponto normalmente oposto da estrela em relação ao nosso planeta. Com isso, ela foi capaz de ver coisas que são normalmente invisíveis a quem observa o sol diretamente por aqui ou pelos espaço. Paralelamente, isso torna o envio de dados coletados bem mais lento.

A observância das erupções solares também foi mais ou menos ao acaso: o SoloHI (sigla que se refere ao instrumento de captura de imagem “Solar Orbiter Heliospheric Imager”) estava operando com apenas um de seus quatro sensores, em um acionamento esporádico. Ou seja, o sistema simplesmente deu a sorte de acioná-lo naquela hora. Segundo a Nasa, quando a missão começar de fato, ele deve operar com quatro sensores e 85% mais frequência, o que, esperamos, tornará os registros deste e de outros eventos mais comuns.

Vale lembrar que, belíssimas como elas são, ejeções de massas coronais devem ser observadas pelos especialistas com cautela, uma vez que suas emissões podem danificar seriamente os equipamentos usados nas naves – bem como as próprias naves em si, complicando missões e trazendo perigo a astronautas sem a devida proteção.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos