Mercado fechará em 1 h 23 min
  • BOVESPA

    120.948,92
    +1.028,31 (+0,86%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.256,44
    +321,53 (+0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,80
    +0,09 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.832,80
    +17,10 (+0,94%)
     
  • BTC-USD

    57.920,88
    +1.845,67 (+3,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.495,70
    +59,91 (+4,17%)
     
  • S&P500

    4.230,61
    +28,99 (+0,69%)
     
  • DOW JONES

    34.771,87
    +223,34 (+0,65%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.706,75
    +109,00 (+0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3487
    -0,0179 (-0,28%)
     

Missão SHIELD mapeará o formato e a densidade da heliosfera do Sistema Solar

Wyllian Torres
·3 minuto de leitura

Assim como a Terra possui um campo magnético que nos protege de partículas altamente carregadas lançadas pelos ventos solares, o Sistema Solar é protegido dos raios cósmicos pelo campo magnético do Sol, que se estende por cerca de 11 bilhões de quilômetros.

Para além desse campo, temos o espaço interestelar, do qual ainda muito pouco sabemos. Por isso, a NASA pretende enviar a missão Spatial Heterodyne Interferometric Emission Line Dynamics Spectrometer (SHIELDS), com o propósito de estudar as partículas interestelares que conseguem atravessar essa barreira conhecida como heliosfera.

A missão terá a chance de ser lançada a bordo de um foguete suborbital, a partir do White Sands Missile Range (WSMR), no Novo México, em 19 de abril de 2021. O SHIELD é um telescópio acoplado a um pequeno veículo, o qual realizará um voo com alguns minutos de duração no espaço antes de cair de volta para a Terra, e então medirá a luz de um grupo específico de átomos de hidrogênio — que tenham vindo de outras estrelas. Por serem neutros, estes átomos conseguem ultrapassar os limites do campo magnético do Sol quase que imperturbáveis.

O Sistema Solar está envolto por uma imensa nuvem de gás e poeira, remanescente de antigas explosões de supernovas. Chamada de Bolha Local, astrônomos estimam que essa região atinge cerca de 300 anos-luz de extensão dentro do Braço de Órion, um dos braços espirais da Via Láctea — contém centenas de estrelas que compõem a nossa vizinhança estelar. O Sol dispara partículas carregadas a aproximadamente 23 km/s, enquanto partículas interestelares atingem “o nariz” da nossa heliosfera tal como as gotas de chuva atingem um parabrisa.

Conceppção artística da Bolha Local, região na qual se encontra o Sistema Solar e outras estrelas vizinhas (Imagem: Reprodução/NASA/Goddard Space Flight Center)
Conceppção artística da Bolha Local, região na qual se encontra o Sistema Solar e outras estrelas vizinhas (Imagem: Reprodução/NASA/Goddard Space Flight Center)

O SHIELD foi projetado para reconstruir o trajeto percorrido por essas partículas neutras e, assim, determinar de onde elas vieram e por onde passaram durante a viagem interestelar. Poucos minutos após ser lançada, a sonda atingirá uma altitude aproximada de 300 km e então apontará seu telescópio para o “nariz” da heliopausa para observar as partículas neutras de hidrogênio. Ao medir o comprimento da onda de luz desses átomos, a SHIELD será capaz de medir a velocidade deles e então elaborar um mapa com a forma e a densidade variável da matéria presente na região da heliopausa.

Ainda hoje, os astrônomos não sabem muito bem como funciona o campo magnético da nossa própria galáxia — eles acreditam que a região da heliosfera contenha marcas capazes de fornecer informações deste campo. O físico espacial Walt Harris, da Universidade do Arizona, em Tucson, diz que os atuais mapas da heliosfera são inconclusivos. “Conhecemos os contornos gerais dessas nuvens, mas não sabemos o que está acontecendo dentro delas”, acrescenta.

Este seria o modelo mais atual da forma da heliosfera excercida pelo Sol (Imagem: Reprodução/Opher, et al)
Este seria o modelo mais atual da forma da heliosfera excercida pelo Sol (Imagem: Reprodução/Opher, et al)

Estudar como a região da heliosfera se comporta hoje, pode nos fornecer pistas sobre o futuro do Sistema Solar. “Estamos apenas tentando entender nosso lugar na galáxia e para onde vamos no futuro”, acrescentou Harris.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: