Mercado abrirá em 2 h 22 min
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,38 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,18
    +1,07 (+1,21%)
     
  • OURO

    1.783,40
    +6,70 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    23.513,14
    -273,53 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    559,21
    -13,61 (-2,38%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,69 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.514,66
    -1,09 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.513,00
    +19,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2544
    -0,0048 (-0,09%)
     

Missão de perfuração pode ser aposta da NASA para busca de vida em Marte

Descobrir se houve ou ainda existe vida em Marte é uma tarefa que pode exigir perfurar a superfície do planeta — e é exatamente isso que a missão Mars Life Explorer (MLE) propõe. Ela seria voltada para a procura de sinais deixados por seres vivos no Planeta Vermelho, caso tenham existido, através de perfurações do solo. A empreitada ainda é bastante embrionária, mas foi apoiada em um relatório recente que determina as maiores prioridades de ciência planetária para a próxima década.

De acordo com o documento, após a “fase de pico” da missão Mars Sample Return, que deverá trazer na próxima década as amostras marcianas coletadas pelo rover Perseverance, a próxima missão prioritária de classe média para o programa de exploração de Marte deveria ser a Mars Life Explorer. A ideia é que a MLE seja lançada na próxima década e encontre possíveis assinaturas de vida em formações congeladas próximas da superfície do planeta, perfurando o gelo, coletando amostras e analisando-as no local.

Representação da missão Mars Life Explorer (Imagem: Reprodução/Amy Williams)
Representação da missão Mars Life Explorer (Imagem: Reprodução/Amy Williams)

Para Philip Christensen, professor da Universidade do Estado do Arizona e co-diretor do comitê que analisa as propostas de estudos para a próxima década, esta é a missão que mais fez sentido para o comitê. “Acredito que examinar o ‘gelo moderno’ em Marte é algo muito lógico a se fazer após o retorno das amostras”, disse, em referência ao Mars Sample Return.

A MLE poderá ter um sistema de perfuração baseado no projeto The Regolith and Ice Drill for Exploration of New Terrains (TRIDENT), da Honeybee Robotics: trata-se de uma broca para perfuração do gelo ainda em desenvolvimento, para as missões VIPER e PRIME-1, ambas de exploração lunar. A ideia é que a MLE seja enviada a Marte durante a primavera e verão do planeta, em latitudes médias.

Já Amy Williams, professora assistente da Universidade da Flórida, observa que a MLE deverá estar muito bem equipada. “A tecnologia está pronta agora e, presumivelmente, haverá desenvolvimentos de tecnologia e engenharia deste e de outros sistemas de perfuração, de modo que melhorias no sistema podem estar disponíveis quando a MLE for lançada no final da década de 2030”, disse.

Claro, a missão ainda é um estudo puramente conceitual — mas, para ela, a beleza da proposta está justamente nisso. “Existe a habilidade de desenvolver ideias alternativas, onde a nave poderia pousar para aumentar a confiança em determinado local de pouso”, sugeriu. “Mas há também a carga útil que enviamos para abordar esta pergunta fundamental: estamos sozinhos no universo?”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos