Mercado abrirá em 4 h 7 min
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,95
    -0,20 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.811,30
    -3,20 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    38.629,02
    +946,20 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    957,98
    +31,22 (+3,37%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.124,77
    +0,91 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +17,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1463
    +0,0280 (+0,46%)
     

Missão lunar da Nasa, Boeing, Jeff Bezos e Elon Musk arriscam futuro em eleições dos EUA

·2 minuto de leitura

Por Joey Roulette e Eric M. Johnson

WASHINGTON/SEATTLE (Reuters) - As diferenças entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o candidato rival Joe Biden vão muito além do planeta Terra.

Os planos do presidente Trump para vencer a corrida incluem uma missão para voltar à lua em 2024 e encerrar o apoio financeiro direto dos EUA para a Estação Espacial Internacional (ISS) em 2025 - passando o controle da instalação em órbita para empresas espaciais privadas.

Biden, por outro lado, provavelmente adiará o lançamento da missão lunar e irá propor uma extensão do financiamento para a Estação Espacial Internacional se ganhar a disputa presidencial, de acordo com pessoas familiarizadas com os planos de Biden.

Adiar a missão lunar poderia levantar mais dúvidas sobre o destino de longo prazo do Space Launch System (SLS), da Boeing, assim como da SpaceX de Elon Musk e da Blue Origin de Jeff Bezos, que estão trabalhando para lançar foguetes rivais no mercado já no próximo ano.

Estender o suporte financeiro para a estação espacial por uma década também seria um grande impulso para a Boeing, cujo contrato de operações de 225 milhões de dólares anuais com a ISS deve expirar em 2024. A companhia também está no auge de uma crise financeira causada pela pandemia de Covid-19 e pela suspensão do serviço do 737 MAX.

A Boeing e a SpaceX já estão fornecendo espaçonaves para transportar astronautas para a ISS, em um programa iniciado no governo Obama e apoiado por Trump e Biden.

Embora desacelerar a missão lunar possa atrasar os contratos de equipamentos relacionados que as empresas pretendem conquistar, a agenda espacial emergente de Biden parece amplamente definida para promover a competição entre os fornecedores de defesa tradicionais, como a Boeing, e rivais mais novos, como a SpaceX, que prometem custos mais baixos e sistemas de foguetes e veículos espaciais reutilizáveis.

Aproximadamente 20 ex-funcionários e cientistas da Nasa se reuniram como um subgrupo de voluntários sob o comitê de ciência da campanha de Biden para ajudar informalmente a formular ideias para um projeto espacial.

Muitos ocuparam cargos na administração Obama e estão disputando papéis influentes na equipe de transição ou no potencial governo Biden.

Um porta-voz da campanha de Biden referenciou comentários anteriores de Biden. Em agosto, depois que a SpaceX lançou e trouxe de volta astronautas à ISS na primeira missão em solo norte-americano em quase uma década, Biden disse que esperava "liderar um programa espacial ousado que continuará a enviar heróis astronautas para expandir nossa exploração de fronteiras científicas."

Representantes da Blue Origin e da Boeing não quiseram comentar. SpaceX e a campanha Trump não responderam aos pedidos de comentários.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos