Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,79
    -0,56 (-0,91%)
     
  • OURO

    1.794,10
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    53.684,63
    -2.252,04 (-4,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.241,06
    -21,90 (-1,73%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.723,08
    +101,16 (+0,35%)
     
  • NIKKEI

    29.109,22
    +600,67 (+2,11%)
     
  • NASDAQ

    13.905,25
    -14,00 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7071
    +0,0051 (+0,08%)
     

Missão ELSA-d demonstra como capturar lixo espacial através de ímãs

Wyllian Torres
·2 minuto de leitura

Diante à grande quantidade de lixo espacial orbitando o planeta Terra, cada vez mais iniciativas que visam remover estes detritos têm surgido. A mais recente é a missão comercial ELSA-d, da empresa japonesa Astroscale, que pretende localizar e capturar satélites desativados e outros tipos de fragmentos ao redor da terra através de ímãs. A pequena espaçonave já está no espaço e em breve iniciará sua fase de testes que seguirá pelos próximos seis meses.

A missão End-of-Life Services by Astroscale-demonstration (ELSA-d) foi lançada no dia 22 do mês passado através do foguete russo Soyuz, da GK Launch Services — este foi o primeiro trabalho comercial da empresa russa, com clientes de 18 países. O objetivo do satélite é, pelos próximos seis meses, treinar o sistema de remoção de lixos espaciais.

À esquerda o satélite "Servicer", e, à direta, o "Client" (Imagem: Reprodução/Astroscale)
À esquerda o satélite "Servicer", e, à direta, o "Client" (Imagem: Reprodução/Astroscale)

O ELSA-d consiste em duas partes: a primeira é o satélite chamado “Servicer”, de 175 kg; a segunda é um menor, chamado “Client”, de 17 kg — por enquanto, eles se encontram unidos. O Client é uma demonstração de lixo espacial a ser capturada pelo Servicer, quando se soltarem. Esse jogo de “gato e rato” se repetirá durante todo o período da missão. O gerente do projeto, Seita Iizuka, disse: “parabenizo nossa equipe e estou ansioso para avançar para a primeira fase de nossas demonstrações técnicas".

O satélite Servicer é equipado com uma placa de encaixe magnética — responsável por capturar os detritos — e um sistema de GPS para fornecer a localização precisa do seu alvo. Através de várias manobras, a Astroscale pretende testar ao máximo a capacidade da missão em pegar esses destroços na órbita e então trazê-los, em segurança, para a Terra. Se tudo ocorrer conforme o planejado, será o primeiro satélite comercial a realizar um trabalho dessa natureza.

Demonstrativo das etapas da missão ELSA-d (Imagem: Reprodução/Astroscale)
Demonstrativo das etapas da missão ELSA-d (Imagem: Reprodução/Astroscale)

Ao final do teste, e com um resultado positivo, o mecanismo de captura magnético ELSA-d será disponibilizado pela Astroscale para instalação em satélites futuros. "Ao liderar o caminho para provar nossas capacidades de remoção de entulho, o ELSA-d também impulsionará os desenvolvimentos regulatórios e avançará o desenvolvimento de serviços de remoção de entulho”, disse Nobu Okada, fundador da empresa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: