Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.690,01
    +363,21 (+0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Missão da NASA que tentará desviar asteroide faz suas primeiras fotos; veja!

·3 min de leitura

A missão Double Asteroid Redirection Test (DART), da NASA, já enviou suas primeiras imagens do espaço. Um dos registros foi feito no início de dezembro pela câmera DRACO, enquanto a nave estava a cerca de 3 milhões de quilômetros da Terra — uma distância bastante pequena, se pensarmos em termos astronômicos — e mostra estrelas com uma nitidez incrível.

O lançamento da DART aconteceu em novembro, acompanhado de vibrações violentas e temperaturas extremas que deixaram os cientistas e engenheiros da missão tensos. Afinal, como a nave conta com instrumentos pequenos de bastante sensíveis a movimentos mínimos, qualquer mudança de posição no instrumento, por menor que seja, poderia resultar em grandes problemas no componente.

Felizmente, a porta circular que cobre a câmera DRACO (Didymos Reconnaissance and Asteroid Camera for Optical) se abriu normalmente e fez este registro:

Foto feita pela DART no dia 7 de dezembro (Imagem: Reprodução/NASA/Johns Hopkins APL )
Foto feita pela DART no dia 7 de dezembro (Imagem: Reprodução/NASA/Johns Hopkins APL )

Esta foto foi feita a 11 segundos-luz da Terra, e mostra estrelas em contraste com a escuridão do espaço, próxima de onde as constelações de Perseu, Áries e Touro se misturam. Esta imagem ajudou a equipe de navegação da DART a estabelecer a orientação da nave, proporcionando também as primeiras medidas de como a câmera estava apontada em relação à nave.

Com estes dados em mãos, a equipe pôde usá-la para apontar a DRACO a outros objetos de interesse — tanto que, três dias depois, a câmera fez uma nova foto. Desta vez, a DRACO registrou o aglomerado estelar aberto Messier 38, localizado a cerca de 4.200 anos-luz de nós:

Foto feita no dia 10 de dezembro, que mostra as estrelas do aglomerado Messier 38 (Imagem: Reprodução/NASA/Johns Hopkins APL)
Foto feita no dia 10 de dezembro, que mostra as estrelas do aglomerado Messier 38 (Imagem: Reprodução/NASA/Johns Hopkins APL)

Capturar imagens de regiões com várias estrelas, como é o caso deste aglomerado, é uma forma de a equipe da missão conseguir identificar imperfeições ópticas na imagem e fazer calibrações de brilho, que auxiliarão em outras etapas da missão.

Como a missão DART vai tentar desviar um asteroide

A DART foi projetada para testar se, de fato, é possível chocar propositalmente uma nave contra um asteroide e mudar a trajetória dele — se sim, este método pode ser usado no futuro, no caso de algum objeto perigoso para a Terra ser identificado. Chamada “impacto cinético”, esta técnica será testada no sistema Didymos, formado por dois asteroides.

Representação da sonda e dos asteroides Didymos e Dimorphos (Imagem: Reprodução/NASA)
Representação da sonda e dos asteroides Didymos e Dimorphos (Imagem: Reprodução/NASA)

Um deles é o Didymos, que tem cerca de 780 m é orbitado por sua lua Dimorphos, com aproximadamente 160 m — este é o alvo da DART. Além de não ser uma ameaça para nós, o sistema é o ideal para o teste,porque Dimorphos tem tamanho parecido com aquele dos asteroides com potencial de serem perigosos para nosso planeta. A DART deverá alcançar a dupla somente no fim de 2022 e, quando isso acontecer, a câmera DRACO fará imagens delas.

Até lá, a equipe da missão já poderá fazer ajustes e calibrações para garantir que vão conseguir medidas precisas quando a DRACO começar a fazer imagens dos asteroides. Por fim, o instrumento ajudará também no sistema autônomo de direção da nave, para direcioná-la ao seu impacto cinético final.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos