Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.827,23
    -1.081,81 (-2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Missão comercial Twinkle será lançada em 2024

·2 minuto de leitura
Missão comercial Twinkle será lançada em 2024
Missão comercial Twinkle será lançada em 2024

Como um diamante no céu, a missão Twinkle vai cintilar no espaço como a primeira espaçonave astronômica comercial do mundo. Ela caminha para ser lançada em 2024, após garantir o financiamento de construção do satélite no ano de 2022. A missão é desejada por pesquisadores de exoplanetas.

A missão é planejada pela empresa Blue Skies Space, idealizada por Marcell Tessenyi após sentir dificuldades durante o pós-doutorado em astronomia, em 2014. O Twinkle tem o apoio de mais de uma dezena de universidades pelo mundo e recebeu financiamento da Agência Espacial Europeia (ESA).

Leia mais:

O satélite será construído pela Airbus, com 350 quilos e meio metro e um custo de 10% de uma missão média das agências espaciais. O Twinkle terá capacidade de fazer medições espectroscópicas de exoplanetas, com precisão similar a do gigante Hubble, orbitando a cerca de 700 quilômetros de altitude.

“O Hubble pode fazer medições espectroscópicas, que dividem a luz em cores diferentes, quando olha para alvos distantes. Isso nos diz algo sobre os diferentes tipos de compostos químicos na atmosfera dos exoplanetas. Mas o Hubble só pode fazer isso por uma faixa limitada de comprimentos de onda, então sempre há incerteza”, explicou Tessenyi.

Desenho de exemplos de exoplanetas a serem observados pela missão Twinkle
O foco do Twinkle é observar exoplanetas. Imagem: Blue Skies Space/Divulgação

Com o Twinkle, o pós-doutor, que é também CEO da Blue Skies Space, afirma que as universidades poderão comprar uma assinatura do satélite e acessar os dados. O objetivo da companha é recuperar o custo do equipamento.

“E, se tivermos sucesso, usar os recursos da venda de dados de satélite para começar a cofinanciar a segunda geração de um satélite com o objetivo de entregar uma série de satélites a longo prazo”, completou Marcell Tessenyi.

Após o Twinkle, a Blue Skies Space planeja realizar outras missões. “Vemos cientistas de outras áreas, como a ciência do sistema solar, interessados ​​nas capacidades de nossa missão. Eles estão interessados ​​em se juntar ao projeto e nos ajudar a moldar a missão”, disse Richard Archer, responsável pelo desenvolvimento de parcerias da empresa, em entrevista ao site Space.

Via: Space

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!