Mercado fechará em 5 h 24 min
  • BOVESPA

    110.293,46
    -1.246,34 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,85
    +1,10 (+1,84%)
     
  • OURO

    1.714,00
    -19,60 (-1,13%)
     
  • BTC-USD

    51.125,50
    +2.118,54 (+4,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.017,89
    +29,80 (+3,02%)
     
  • S&P500

    3.870,42
    +0,13 (+0,00%)
     
  • DOW JONES

    31.469,78
    +78,26 (+0,25%)
     
  • FTSE

    6.633,31
    +19,56 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.999,25
    -56,00 (-0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9192
    +0,0571 (+0,83%)
     

Missão chinesa Tianwen-1 entra na órbita de Marte; pouso está previsto para maio

Danielle Cassita
·3 minuto de leitura

Desde julho do ano passado, a missão chinesa Tianwen-1 segue viagem com destino a Marte, levando um rover e um lander que irão pousar em maio no planeta para estudar sua geologia, campos gravitacionais, distribuição de água e outros objetivos científicos. Nesta quarta-feira (10) a missão entrou com sucesso na órbita marciana, onde vai ficar alguns meses buscando do melhor local para o pouso. Agora, a China se torna o sexto país a entrar na órbita marciana.

A sonda ativou seu motor principal durante aproximadamente quinze minutos para que conseguisse reduzir sua velocidade de 23 km/s para 5 km/s e, assim, ser capturada pela gravidade do planeta. Tudo foi feito de forma autônoma em função do atraso que existe para o envio e recebimento dos sinais. Depois disso, foi iniciado o período da ocultação da sonda na órbita marciana, uma etapa em que não é possível receber sinais da nave porque ela está viajando por trás de Marte. Após quase uma hora de ocultação, a comunicação foi restabelecida e a agência espacial chinesa CNSA confirmou o sucesso da manobra de inserção da sonda na órbita por volta das 10h, no horário de Brasília.

A missão Tianwen-1, cujo nome significa como "busca pela verdade celestial", consiste em um orbitador, um rover e um lander que irão estudar o Planeta Vermelho. A ideia é que o orbitador fotografe e produza mapas de Marte para identificar o melhor local de pouso e, depois disso, o módulo que contém o rover em seu interior irá descer para a superfície marciana. Essa é uma etapa crítica da missão e, se tudo correr bem, o lander irá liberar o rover na superfície do planeta para passar cerca de três meses estudando a geologia marciana e a possível distribuição de água congelada.

Essa foi uma das missões lançadas em julho para aproveitar a breve janela do período de maior proximidade entre Marte e a Terra, o que permite uma viagem mais rápida para o planeta e com menor consumo de combustível. Então, enquanto seguia viagem, a sonda lançou para o espaço uma cápsula que guardava uma pequena câmera em seu interior, que estava programada para tirar uma foto por segundo.

A "selfie" da Tianwen-1 durante a jornada para Marte (Imagem: Reprodução/CNSA)
A "selfie" da Tianwen-1 durante a jornada para Marte (Imagem: Reprodução/CNSA)

Embora a China já tenha experiência com pousos na Lua, essa é a primeira missão interplanetária independente que o país realiza. A Tianwen-1 é a segunda missão que chegou ao Planeta Vermelho nesta semana, já que, na terça-feira (9), a missão árabe Hope Mars havia entrado com sucesso na órbita de Marte. Agora, a próxima a chegar será a Mars 2020, da NASA, que viaja levando o rover Perseverance e o helicóptero Ingenuity. A missão deverá alcançar o planeta em 18 de fevereiro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: