Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    -0,58 (-0,79%)
     
  • OURO

    1.779,90
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    32.717,33
    +902,66 (+2,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    767,68
    -26,65 (-3,36%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.268,00
    +9,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9198
    -0,0555 (-0,93%)
     

Missão chinesa Chang'e-4 descobre origem de regolito no lado afastado da Lua

·2 minuto de leitura

Os pesquisadores chineses por trás da missão Chang’e-4 divulgaram descobertas interessantes sobre a face afastada da Lua — ou seja, o lado que nunca se volta para a Terra e, portanto, não podemos vê-lo daqui. Além de observar que essa região lunar é bem diferente da face próxima, a equipe também descobriu detalhes sobre o regolito de uma grande cratera.

A cratera em questão é a Von Karman, que fica na Bacia do Polo Sul-Aitken, que, por sua vez, é uma das maiores crateras de impacto conhecidas no Sistema Solar, além de ser a maior, mais antiga e mais profunda depressão da Lua. De acordo com os pesquisadores chineses, que analisaram os dados da sonda Yutu-2, o regolito lunar que existe nessa área foi jogado lá quando um asteroide atingiu a Lua em uma cratera vizinha.

Essa é a cratera Von Karman (Imagem: NASA)
Essa é a cratera Von Karman (Imagem: NASA)

Em um artigo publicado na revista Nature Astronomy, a equipe afirmou que o radar de penetração de solo do Yutu-2 revelou semelhanças entre o regolito da cratera Von Karman e o material da cratera Finsen, que fica ali perto. Isso é um indício de que o material nas proximidades da sonda chegou lá depois de ser ejetado pela força do impacto do asteroide que caiu na Lua e formou a cratera Fonsen.

Além disso, os pesquisadores também notaram que o lado afastado da Lua é muito diferente do lado visível. É que naquela região, onde a missão Chang’e-4 é pioneira, existe uma quantidade bem maior de colinas, fendas e crateras, estas últimas sendo muito mais profundas.

Esse estudo é importante porque coloca em xeque a ideia de que o material que compõe esse regolito teria origem em alguma fonte vulcânica. Como os próprios cientistas chineses apontam, os dados do rover Yutu-2 da missão Chang-e-4, que recentemente completou 600 dias em solo lunar, já são o suficiente para ajudar a comunidade científica na compreensão da geologia do lado afastado da Lua, bem como no entendimento da própria história do nosso satélite natural.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos