Mercado fechará em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    108.125,19
    +188,08 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,52
    +0,21 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.841,20
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    36.733,43
    +3.289,06 (+9,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    835,68
    +25,08 (+3,09%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.356,97
    +59,82 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    24.243,61
    -412,85 (-1,67%)
     
  • NIKKEI

    27.131,34
    -457,03 (-1,66%)
     
  • NASDAQ

    14.191,75
    -309,25 (-2,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1893
    -0,0394 (-0,63%)
     

Missão Chang'e 4 revela vestígios de meteoritos que atingiram a Lua

·1 min de leitura

Restos de meteoritos carbonáceos com menos de 1 milhão de anos foram identificados na Lua pela primeira vez, deixados por impactos ocorridos no passado. A descoberta foi feita pela equipe de Liu Yang, pesquisador do Laboratório Estadual de Clima Espacial, que analisou dados da missão chinesa Chang'e 4, que levou um lander e um rover à Lua.

Estudos anteriores das amostras obtidas durante as missões do programa Apollo já haviam indicado a ocorrência de fragmentos de condritos carbonáceos. Trata-se de uma classe de meteoritos considerados os mais antigos, conhecido também pela alta proporção de carbono em sua composição. Mesmo assim, os resíduos deixados pelos impactos desses meteoritos nunca foram diretamente observados.

Lander da missão Chang'e 4 (Imagem: Reprodução/Xinhua/China National Space Administration)
Lander da missão Chang'e 4 (Imagem: Reprodução/Xinhua/China National Space Administration)

A equipe de Yang analisou as observações feitas pelo rover Yutu, da missão Chang’e 4, de uma cratera de 2 m de diâmetro formada há menos de 1 milhão de anos. Eles descobriram que, talvez, os impactos de objetos carbonáceos ricos em compostos voláteis possam trazer água para a Lua. Para os autores, os processos de transporte desses compostos através dos impactos são alguns dos principais meios responsáveis pela formação de água e gelo em algumas regiões lunares permanentemente nas sombras.

Ainda, o estudo levantou também a possibilidade de haver resíduos deixados por asteroides do tipo nas amostras coletadas pela missão Chang’e 5, trazidas à Terra em dezembro do ano passado. A análise desses pequenos fragmentos será importante para os astrônomos entenderem melhor a história e a evolução dos objetos que causam impactos no sistema Terra-Lua, contribuindo também para a compreensão do passado dos impactos no Sistema Solar interno.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature Astronomy.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos