Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,14
    -0,87 (-0,98%)
     
  • OURO

    1.790,00
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    23.204,17
    +42,26 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,20
    -2,02 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,94 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.175,87
    +243,67 (+0,87%)
     
  • NASDAQ

    13.182,25
    -46,50 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2565
    -0,0101 (-0,19%)
     

Missão buscará vida alienígena usando o Sol como telescópio gigante

A NASA concedeu US$ 2 milhões para um projeto que pretende usar o Sol como uma lente gravitacional para observar exoplanetas e procurar por bioassinaturas extraterrestres. O financiamento é parte do Instituto de Conceitos Avançados da agência espacial, iniciativa que apoia vários projetos “estranhos”.

Não é a primeira vez que cientistas propõem usar o Sol como um telescópio gigante. A ideia é simples: como nossa estrela é relativamente massiva, o espaço ao seu redor é distorcido, desviando e distorcendo a luz de objetos muito mais distantes (desde que estejam exatamente atrás do Sol).

Assim, a imagem de sistemas com exoplanetas alinhados com o Sol e os instrumentos científicos poderia ser ampliada pela lente gravitacional, permitindo análises mais detalhadas do espectro de transmissão da atmosfera desses mundos distantes.

O espectro de transmissão é uma das ferramentas mais valiosas para o estudo de composição dos exoplanetas. Através dele, os cientistas observam a luz que atravessa a atmosfera dos planetas e descobrem quais elementos químicos interagiram com essa luz.

O Sol atuaria como lente gravitacional graças à sua massa (os objetos estão fora de escala) (Imagem: Reprodução/NASA)
O Sol atuaria como lente gravitacional graças à sua massa (os objetos estão fora de escala) (Imagem: Reprodução/NASA)

No caso da missão proposta à NASA, vários pequenos satélites seriam enviados em pontos específicos do espaço, de onde a lente gravitacional solar se formaria diante os seus campos de visão. Para chegar a esses pontos, será necessária uma viagem de até 25 anos.

Uma vez posicionados no local correto, os satélites buscarão um exoplaneta que esteja exatamente alinhado com o Sol e os próprios instrumentos de observação. O campo gravitacional do Sol aumentaria a luz do exoplaneta à medida que passa pela nossa estrela, permitindo que os satélites vejam muito além do que foi possível até agora.

Esses pontos ficam a cerca de 1.000 vezes a distância entre a Terra e o Sol — várias vezes a distância total percorrida pela Voyager 1, lançada há 44 anos. Para cobrir a distância em tempo menor, os cientistas pretendem usar uma vela solar, que aproveita a luz do Sol para impulsionar a espaçonave rumo às fronteiras do Sistema Solar.

O artigo que descreve a proposta ainda aguarda revisão de pares.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos