Mercado abrirá em 1 h 37 min
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,47
    -1,02 (-0,92%)
     
  • OURO

    1.802,80
    -5,40 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    29.981,07
    +152,90 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    671,66
    -9,45 (-1,39%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.417,62
    -0,53 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.334,00
    -48,75 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2798
    +0,0207 (+0,39%)
     

Ministro do Petróleo do Irã visita Venezuela para 'construir rotas' contra sanções americanas

(2020) Funcionário da estatal venezuelana PDVSA agita bandeira iraniana após a chegada de um petroleiro daquele país trazendo combustível para aliviar a escassez (AFP/-) (-)

O ministro do Petróleo do Irã, Javad Owji, foi recebido nesta segunda-feira (2) pelo presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para falar sobre "cooperação energética" e buscar "rotas para superar" os efeitos das sanções dos Estados Unidos contra ambas as nações.

"Recebi o excelentíssimo Javad Owji, Ministro do Petróleo da irmã República Islâmica do Irã. Um encontro produtivo para aprofundar os laços de irmandade e cooperação em matéria energética", publicou Maduro no Twitter, sem dar mais detalhes sobre os acordos estabelecidos.

A televisão estatal divulgou imagens do encontro no palácio presidencial de Miraflores.

Mais cedo, Owji foi recebido em Caracas pelo colega venezuelano, Tareck El Aissami, "com o propósito de continuar aprofundando os mecanismos de cooperação bilateral" e "a construção de rotas e mecanismos para superar as medidas coercitivas unilaterais impostas pelo governo dos Estados Unidos e países aliados", segundo um comunicado do Ministério do Petróleo venezuelano.

O Irã, que tem em Caracas um importante aliado latino-americano, vendeu combustível e outros derivados de petróleo bruto para a Venezuela em meio à crise na oferta de gasolina ocorrida há dois anos, que provocou filas quilométricas em postos de gasolina, especialmente no interior do país.

A AFP tentou entrar em contato com o Ministério do Petróleo local, mas não houve resposta.

Os laços bilaterais se estreitaram com a chegada do falecido líder socialista, Hugo Chávez (presidente entre 1999 e 2013), ao poder e foram reforçados com seu sucessor, Nicolás Maduro, que vê Teerã como um de seus principais aliados ao lado de China e Rússia.

As relações se estreitaram ainda mais após as sanções que os Estados Unidos impuseram às exportações de petróleo da Venezuela e do Irã - ambos importantes produtores -, assim como a muitos funcionários e militares dos dois países.

Em 2020, em meio a uma aguda escassez de gasolina por uma brutal queda de petróleo, Teerã enviou à Venezuela navios carregados de gasolina e derivados para aliviar a crise. No fim daquele ano, em visita a Caracas, o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, garantiu que seu país estaria "ao lado" da Venezuela.

ba-erc//jt/llu/gf/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos