Mercado abrirá em 2 h 11 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,42
    +0,54 (+0,76%)
     
  • OURO

    1.867,30
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    40.015,91
    +685,59 (+1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.003,61
    +34,77 (+3,59%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.164,64
    +17,96 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.132,00
    +7,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1462
    +0,0147 (+0,24%)
     

Ministro ordena abertura de inquérito para apurar ciberataque ao site do STF

·1 minuto de leitura

Comportamentos incomuns ocorridos nos sites do Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 6 de maio resultaram em um pedido de abertura de inquérito pedido pela Polícia Federal, aceito na última terça-feira (11) pelo ministro Alexandre de Moraes. A ocasião foi marcada por um aumento no número de acessos feitos por robôs, o que gerou suspeitas sobre um possível ataque contra o tribunal

Os técnicos que atendem ao STF afirmam que impediram uma tentativa de invasão em andamento e que nenhuma informação sigilosa foi roubada, tampouco houve sequestro de ambientes virtuais. Como medida de segurança, o site do tribunal foi retirado do ar temporariamente para garantir a proteção das informações lá contida, voltando ao ar no dia 7 (sexta-feira).

A decisão teve implicação direta sobre a população, resultando no prolongamento de prazos processuais e no adiamento da sessão do plenário virtual programada para se encerrar na última sexta-feira. Em uma nota divulgada pelo Supremo, a entidade lamentou o transtorno e se disse comprometida com a transparência e a segurança de informações.

Ao atender o pedido da Polícia Federal, Alexandre de Moraes segue o entendimento de que há elementos que configuram a tentativa de invasão como uma suposta ameaça ao STF. O ataque pode pode estar ligado ao inquérito das fake news e a atos antidemocráticos, como os vídeos do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), derrubados pelo YouTube em fevereiro deste ano — por estar diretamente ligado aos casos, o ministro foi apontado como relator da nova investigação, que segue em sigilo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: