Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.772,51
    -1.658,03 (-1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.776,10
    +211,83 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,98
    -1,89 (-2,40%)
     
  • OURO

    1.960,40
    +15,10 (+0,78%)
     
  • BTC-USD

    23.420,15
    +261,47 (+1,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    532,48
    +289,80 (+119,42%)
     
  • S&P500

    4.120,94
    +44,34 (+1,09%)
     
  • DOW JONES

    34.139,90
    +53,86 (+0,16%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.393,00
    +241,00 (+1,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5518
    +0,0362 (+0,66%)
     

Ministro dos Transportes defende capital privado em grandes projetos de ferrovia

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O novo ministro dos Transportes, Renan Calheiros Filho, afirmou nesta terça-feira que novos projetos de ferrovias no Brasil precisam de capital privado e que para isso é necessário respeito a contratos de concessão para garantir segurança aos investidores de longo prazo.

Após cerimônia de posse realizada em um auditório lotado e que contou com a presença de figuras tradicionais da política nacional como a do ex-presidente José Sarney, o ministro afirmou que "para novos grandes projetos, principalmente (serão firmadas) parceiras público-privadas".

A pasta dos Transportes antes estava incorporada no Ministério da Infraestrutura, mas foi desmembrada em Transportes e Portos e Aeroportos no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

"Nesse momento pela nova ordem mundial não é moleza construir uma ferrovia...Vou tentar ampliar o espaço das ferrovias no modal de transportes", disse Renan Filho.

Ele afirmou ainda que pretende "revisitar" o marco rodoviário de transporte de carga e que "se for necessário" haverá esforços para mudar a lei aprovada durante o governo de Michel Temer. "Vou fazer um roadshow nos próximos dias para a gente encontrar o melhor caminho", disse o ministro, se referindo ainda à possibilidade de regulamentação do marco.

Renan Filho reafirmou nesta terça-feira que nos próximos 15 dias pretende divulgar um plano de ação para os próximos 100 dias, com obras que sua pasta entender como prioritárias para serem retomadas ou aceleradas e detalhes sobre o escoamento da safra agrícola do país.

Ele comentou ainda que o calendário atual de concessões será mantido.