Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.051,80
    +1.173,27 (+1,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.998,06
    +323,23 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,76
    +0,48 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +13,80 (+0,75%)
     
  • BTC-USD

    19.393,44
    +444,54 (+2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,07
    +6,66 (+1,78%)
     
  • S&P500

    3.679,61
    +10,60 (+0,29%)
     
  • DOW JONES

    30.074,54
    +190,75 (+0,64%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.492,75
    +38,50 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2311
    -0,0887 (-1,40%)
     

Ministro do STJ participa de sessão virtual sem calça; veja vídeo

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
No vídeo, que circula pelas redes sociais, é possível ver Cordeiro se levantando sem perceber, aparentemente, que estava com a câmera ligada (Foto: Reprodução/Youtube)
No vídeo, que circula pelas redes sociais, é possível ver Cordeiro se levantando sem perceber, aparentemente, que estava com a câmera ligada (Foto: Reprodução/Youtube)

O ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), foi filmado durante a sessão de julgamentos da 6ª Turma, na última terça-feira (20), sem calça.

No vídeo, que circula pelas redes sociais, é possível ver Cordeiro se levantando sem perceber, aparentemente, que estava com a câmera ligada.

O STJ é composto por, no mínimo, 33 ministros nomeados pelo presidente da República, após aprovação do Senado Federal. Essa composição é estabelecida pelo artigo 104 da Constituição Federal, segundo o qual o cargo deve ser preenchido por brasileiros com mais de 35 e menos de 65 anos de idade, de notável saber jurídico e reputação ilibada.

Leia também

A reportagem entrou em contato com o STJ pedindo mais informações sobre o desfecho da sessão na qual o ministro apareceu sem as calças e questionou qual é o procedimento adotado em casos como este. Não obteve resposta, porém, até a publicação.