Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.701,02
    -1.315,23 (-2,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Ministro das Finanças de saída diz que pediu meta de inflação menor ao BC japonês

·1 minuto de leitura

TÓQUIO (Reuters) - Taro Aso, ministro das Finanças japonês de saída, disse nesta segunda-feira que propôs reduzir a meta de inflação de 2% do Banco Central quando os preços foram abalados pela queda brusca do valor do petróleo entre 2014 e 2015.

Aso, que comandou a pasta durante quase nove meses, disse que o tombo dos preços do petróleo foi um dos principais impedimentos para o governo declarar o fim da deflação.

"Propus ao presidente Kuroda que, com os preços do petróleo caindo tanto, seria difícil atingir uma inflação de 2% e que a meta deveria ser reduzida em algum momento", disse Aso em sua última coletiva de imprensa como ministro das Finanças em referência ao chefe do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda.

"Mas o presidente disse que faria seu melhor para atingir a meta", explicou Aso, acrescentando que os formuladores de política monetária precisam "esmiuçar em algum momento" por que a meta de inflação de 2% do banco central não foi alcançada.

Os comentários destacam como governo e parlamentares se distanciaram da meta do banco anos atrás, apesar das garantias do banco central de que atingi-la era possível mantendo ou elevando o estímulo.

Aso se envolveu profundamente em negociações com o banco central japonês quando este, sob pressão política para adotar uma postura mais firme contra a deflação, estabeleceu com relutância uma meta de inflação de 2% em janeiro de 2013 sob o comando do então presidente Masaaki Shirakawa.

(Por Takaya Yamaguchi e Leika Kihara)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos