Mercado fechado

Ministro das Finanças e presidente do BC do Japão prometem usar todas as ferramentas contra consequências do vírus

Por Leika Kihara
Ministro das Finanças japonês, Taro Aso, ajusta sua máscara durante sessão do Senado

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O ministro das Finanças japonês, Taro Aso, e o presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, prometeram nesta sexta-feira implantar todas as ferramentas necessárias de política fiscal e monetária para combater as crescentes consequências econômicas da pandemia de coronavírus.

Após uma rara reunião bilateral, os dois emitiram uma declaração conjunta comprometendo-se a fazer "o que for necessário" para facilitar o financiamento corporativo e estabilizar os mercados como parte dos esforços para amortecer o golpe da crise de saúde.

"A economia do Japão está em um estado extremamente severo e precisamos sair dessa situação o mais rápido possível", disse Aso a repórteres após a reunião.

"Ao nos reunirmos assim, queríamos transmitir ao mundo que o governo do Japão e o banco central estão trabalhando juntos para combater a pandemia", disse ele.

A reunião bilateral ocorreu horas após uma reunião emergencial banco central, na qual decidiu criar um novo esquema de empréstimo para canalizar mais fundos a pequenas empresas atingidas pelo coronavírus. [nL1N2D40KQ]

A primeira reunião desse tipo em quase quatro anos ressalta a preocupação de Tóquio com o risco crescente de que, sem medidas mais firmes, a pandemia possa levar a um aumento nas falências e na perda de empregos, o que pode deixar uma cicatriz duradoura em uma economia frágil.

O Japão entrou em recessão pela primeira vez desde 2015 no primeiro trimestre do ano, colocando a economia no caminho de sua queda mais profunda do período pós-guerra, com a crise da saúde fechando as empresas e prejudicando os gastos dos consumidores.