Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    47.762,29
    -1.015,52 (-2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    952,90
    -41,77 (-4,20%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7372
    +0,1667 (+2,54%)
     

Ministro da Saúde francês incentiva uso da vacina AstraZeneca

·1 minuto de leitura
O ministro da saúde francês, Olivier Veran

O ministro francês da Saúde, Olivier Veran, incentivou nesta segunda-feira (8) continuar usando a vacina da AstraZeneca, diante das dúvidas sobre sua eficácia contra a variante sul-africana.

Enquanto recebia uma dose da vacina em um hospital ao sudoeste de Paris, Veran afirmou à imprensa que não havia casos apenas desta variante na França.

"Continuo recomendando a vacina da AstraZeneca, que protege contra 99% dos casos detectados em nosso país", afirmou Veran.

A África do Sul atrasou o inicio da vacinação com o produto do grupo sueco-britânico AstraZeneca devido à preocupação de que não seja eficaz contra a variante originada neste país.

A França recebeu 270.000 doses da AstraZeneca no sábado e deve receber outras 300.000 nos próximos dias, explicou Veran.

Os grupos prioritários serão todos os profissionais da saúde, incluindo os que trabalham de forma independente e realizam visitas a domicílio.

A vacina distribuída pela AstraZeneca e desenvolvida na Universidade de Oxford será analisada nesta segunda-feira por especialistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) devido às dúvidas sobre sua eficácia contra a variante sul-africana e nos maiores de 65 anos.

O presidente francês, Emmanuel Macron, já disse no final de janeiro que a vacina era "pouco eficaz entre os maiores de 65".

Desde o início da pandemia, a França conta quase 79.000 mortes pela covid-19.

gbh-ab-lum/adp/jh/lc/grp/mb/aa