Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.613,30
    +3.068,32 (+6,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Ministro da Saúde do Equador é investigado por tráfico de influência na vacinação contra Covid-19

·2 minuto de leitura
(21 jan) Zevallos (e) posa com carregamento das primeiras doses da vacina Pfizer/BioNTech, no aeroporto internacional de Quito

O ministro da Saúde do Equador, Juan Carlos Zevallos, é investigado por suspeita de tráfico de influência, depois que familiares dele foram vacinados contra a Covid-19 com as primeiras doses importadas pelo governo, anunciou o ministério público do país nesta sexta-feira.

"Com base em denúncias apresentadas, #FiscalíaEc abriu uma investigação contra o ministro Juan Carlos Z., por suposto crime de tráfico de influência no processo de distribuição de vacinas contra a Covid-19", assinalou a instituição em sua conta no Twitter, assinalando que "a investigação é aberta após denúncias apresentadas" por diversos setores depois da divulgação de que parentes do funcionário - entre eles sua mãe - que vivem em um centro geriátrico privado foram vacinados por uma brigada de um hospital público.

Na semana passada, chegou ao Equador o primeiro lote de 8 mil doses da vacina desenvolvida pela aliança Pfizer/BioNTech, para começar a imunizar equipes médicas da linha de frente, bem como idosos que vivem em asilos. Zevallos, 62, admitiu que sua mãe, 87, e pessoas próximas receberam a vacina, gerando críticas. Ele explicou que o imunizante não correspondia àquele designado ao sanatório público ao qual os vacinadores pertenciam.

"Dentro de minhas atividades, visitei o Hospital de los Valles (particular), onde nossa equipe se encontrava aplicando a vacina de acordo com o que estava planejado. Eu o fiz na qualidade de ministro da Saúde, na qualidade de médico e na qualidade de filho. Lamento muitísimo e profundamente que minha presença tenha sido percebida de forma negativa", manifestou Zevallos na última quarta-feira.

O Equador, país de 17,4 milhões de habitantes, soma 246 mil casos de Covid-19 e 14.766 mortos. O governo equatoriano adquiriu 2,1 milhões de doses do imunizante Pfizer/BioNTech, das quais 86 mil chegarão progressivamente até feveiro para a fase inicial da vacinação, que contempla profissionais de saúde e idosos em centros geriátricos.

SP/dsl/dg/lb