Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.749,63
    +2.370,71 (+2,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.864,69
    +597,49 (+1,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,78
    +1,72 (+3,99%)
     
  • OURO

    1.802,70
    -35,10 (-1,91%)
     
  • BTC-USD

    19.154,44
    +702,47 (+3,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,75
    +11,00 (+2,97%)
     
  • S&P500

    3.632,47
    +54,88 (+1,53%)
     
  • DOW JONES

    30.023,92
    +432,65 (+1,46%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.066,00
    +160,75 (+1,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3922
    -0,0481 (-0,75%)
     

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, recebe diagnóstico de Covid-19

NATÁLIA CANCIAN
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF,  16.09.2020 - O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante evento em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 16.09.2020 - O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante evento em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, está com Covid-19, segundo diagnóstico feito nesta quarta-feira (21). A informação foi confirmada à reportagem pelo Ministério da Saúde. Com o diagnóstico, ele passa a ser o 12º auxiliar do primeiro escalão do governo Bolsonaro infectado pela doença, além do próprio presidente.

A auxiliares, Pazuello já havia relatado mal estar na segunda-feira (19), o que o levou a cancelar sua participação em um evento do Ministério da Ciência e Tecnologia, no Palácio do Planalto.

Na terça, o ministro apresentou febre e voltou a cancelar agendas, mantendo apenas a reunião com os governadores, da qual participou de casa e durante o qual anunciou o contrato de intenção de compra de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac, fabricada pela chinesa SinoVac com o Instituto Butantan.

Nesta quarta (21), porém, a pasta recuou em parte do anúncio, após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmar que iria desfazer o acordo e desautorizar o ministro, que na véspera se referira ao imunizante produzido sob a gestão do governador João Doria (PSDB), desafeto do presidente, como "a vacina do Brasil".

Ao todo, 12 dos 23 ministros da atual gestão contraíram a Covid-19, incluindo todos os auxiliares do primeiro escalão que despacham no Palácio do Planalto. O próprio presidente também esteve infectado, mas se recuperou sem relatar maiores sintomas.

Na última semana, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, informou ter tido diagnóstico positivo para a Covid-19. Um dia antes, ele participou de entrevista no Palácio do Planalto, sem máscara.

A pandemia não terminou, mas, em Brasília, autoridades retomaram solenidades e cerimônias.

A posse do novo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, por exemplo, no mês passado, deixou sete autoridades contaminadas.