Mercado abrirá em 6 h 42 min
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,17
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.874,70
    +6,70 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    13.469,82
    -17,41 (-0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,79
    +21,11 (+8,70%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.534,90
    -51,70 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    23.135,52
    -196,42 (-0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.187,75
    -155,00 (-1,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7483
    +0,0027 (+0,04%)
     

Ministro da Economia do Equador renuncia ao cargo após selar acordo com o FMI

·1 minuto de leitura
O ministro da Economia do Equador, Richard Martínez, durante debate em Washington, 12 de abril de 2019
O ministro da Economia do Equador, Richard Martínez, durante debate em Washington, 12 de abril de 2019

O ministro da Economia do Equador, Richard Martínez, renunciou nesta quarta-feira (7) ao cargo, após selar um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para apoiar reformas estruturais no país, informou o presidente Lenín Moreno.

Martínez "fecha um ciclo. Meu profundo agradecimento por seu extraordinário trabalho", escreveu Moreno em sua conta no Twitter, anunciando que o novo ministro da Economia do Equador será Mauricio Pozo.

Martínez publicou na mesma rede social uma carta de renúncia na qual destacou a reestruturação da dívida externa e o financiamento de organismos multilaterais.

"Temos abertas as portas do mundo e geraremos confiança, porque mostramos compromisso com a ordem das finanças públicas", escreveu Martínez na carta, na qual não explica os motivos da renúncia.

Durante a gestão de Martínez, o Equador selou um acordo para ampliar de 4,2 para 6,5 bilhões de dólares seu plano de apoio a reformas estruturais no país, atingido pelos efeitos da pandemia da covid-19 e a queda do preço do petróleo.

Martínez também conseguiu reestruturar cerca de 15,5 bilhões de dólares de dívida e prorrogou em um ano o prazo para o pagamento de parcelas ao Banco de Desenvolvimento da China.

O Equador tem dívida de 58,7 bilhões de dólares, o que representa 60% do PIB. O FMI estima que a economia do país sofrerá recessão de 11% em 2020.

Pozo, que foi ministro da Economia entre 2003 e 2004, garantiu que irá impulsionar "reformas urgentes" para "fortalecer o programa econômico e a dolarização, acelerar a recuperação econômica e o emprego".

pld/am