Mercado abrirá em 2 mins
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,33
    -0,30 (-0,46%)
     
  • OURO

    1.795,20
    +10,90 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    57.614,20
    +1.965,23 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,07
    +75,76 (+5,39%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,34 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.049,52
    +10,22 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.487,25
    -3,75 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4385
    +0,0116 (+0,18%)
     

Ministro da Economia da Argentina irá à Europa em busca de apoio para negociar com o FMI

·1 minuto de leitura

BUENOS AIRES (Reuters) - O ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, começará no domingo uma viagem pela Europa em busca de consenso para a negociação com o Fundo Monetário Internacional (FMI) que visa reestruturar a dívida do país.

Em meio à grave crise econômica pela qual passa a Argentina, Guzmán também manterá discussões sobre a dívida que o país tem com o Clube de Paris.

O governo informou no sábado que o ministro visitará Alemanha, França, Itália e Espanha, onde se reunirá com ministros da área econômica e outras autoridades.

“O objetivo é conseguir apoios necessários dos acionistas do FMI (especialmente do G7 e do G20) para finalizar um programa que atenda à Argentina”, afirmou o Ministério da Economia, em um comunicado.

A Argentina vive uma prolongada estagflação que foi agravada ano passado pela pandemia do coronavírus.

Em meio a uma crise que deixou quase metade da sua população na pobreza, o país conseguiu um alívio em 2020 para suas finanças ao reestruturar a dívida soberana próxima a 100 bilhões de dólares. A Argentina agora pretende reestruturar um passivo próximo a 44 bilhões de dólares com o FMI.

(Reportagem de Nicolás Misculin)