Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    55.999,30
    -6.453,03 (-10,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Ministro da Economia da Argentina vai à Europa discutir dívida com FMI e Clube de Paris, diz fonte

Jorge Otaola
·1 minuto de leitura
Ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán

Por Jorge Otaola

BUENOS AIRES (Reuters) - O ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, viajará à Europa em meados de abril para discutir a renegociação da dívida do país com o FMI e o Clube de Paris com importantes autoridades financeiras, disse uma fonte do Ministério das Finanças do país à Reuters na segunda-feira.

A viagem de cinco dias começará em 12 de abril em Berlim e terminará em 16 de abril em Paris, com paradas em Roma e Madri.

O governo do presidente de centro-esquerda Alberto Fernández está lutando para renegociar os cerca de 45 bilhões de dólares que o país deve ao Fundo Monetário Internacional (FMI). A crise do coronavírus devastou a já debilitada economia produtora de grãos, complicando os esforços para o pagamento das obrigações.

"O objetivo é conseguir o apoio necessário dos acionistas do FMI -- especialmente do G7 e do G20 -- para finalizar um programa que atenderá à Argentina", disse a fonte, que falou sob condição de anonimato.

A Argentina também enfrenta o vencimento de 2,4 bilhões de dólares em dívidas que deve ao grupo de países credores do Clube de Paris, um pagamento que espera prorrogar, uma vez que suas reservas despencaram junto com a produção.