Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    47.323,99
    -9.394,99 (-16,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Ministro da Cidadania confirma Auxílio Brasil em novembro com benefício mínimo de R$ 400

·2 min de leitura

O ministro da Cidadania, João Roma, confirmou nesta quarta-feira que os pagamentos do Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, começará em novembro. O valor mínimo será de R$ 400.

Ele não deu detalhes sobre como o governo irá pagar o benefício, como sua forma de financiamento. Roma também não informou se haverá pagamentos fora do teto de gastos, regra que impede o crescimento das despesas da União acima da inflação.

Roma disse que um Auxílio Brasil de pelo menos R$ 400 foi determinação do presidente Jair Bolsonaro. Esses números já haviam sido aventados nos últimos dias, inclusive com a sinalização de pagamentos feitos fora do teto de gastos.

O ministro ainda confirmou o fim do auxílio emergencial neste mês, quando será paga a última parcela. Neste momento, o auxílio atende a 39 milhões de pessoas. O benefício foi criado por conta da pandemia de Covid-19.

— O auxílio emergencial será finalizado em outubro. Esse mês será o pagamento da última parcela do auxílio emergencial — disse, em entrevista no Palácio do Planalto. — Em novembro, iniciamos a execução do Auxílio Brasil.

chamada banner Globo+ Elo

Roma afirmou que Bolsonaro determinou que nenhuma família receba menos de R$ 400.

— O presidente demandou que todos aqueles que estão no programa social, que nenhuma dessas famílias receba menos de R$ 400. Estamos internamente no governo (discutindo) para que esses avanços ocorram seguindo a responsabilidade fiscal — disse.

Roma não deu detalhes sobre como ficará será feita a engenharia financeira do programa. Hoje o Bolsa Família atende a 14 milhões de pessoas. O novo programa será para 17 milhões de beneficiários.

Atualmente, o benefício médio do Bolsa Família é de R$ 189. Esse valor sofrerá um reajuste linear de 20% de forma permanente, disse Roma.

Além disso, o governo vai criar um programa temporário que fará com que o benefício fique de pelo menos R$ 400. É parte dessa parcela temporária que deve ficar fora do teto de gastos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos