Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.680,71
    -1.260,97 (-1,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.693,65
    -905,73 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,54
    -1,60 (-1,88%)
     
  • OURO

    1.839,60
    +7,80 (+0,43%)
     
  • BTC-USD

    36.174,23
    +977,37 (+2,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    822,31
    +11,71 (+1,44%)
     
  • S&P500

    4.345,36
    -52,58 (-1,20%)
     
  • DOW JONES

    33.911,53
    -353,84 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.297,15
    -196,98 (-2,63%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    -309,09 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    14.274,00
    -152,50 (-1,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2204
    +0,0304 (+0,49%)
     

Ministro é criticado por live com Bolsonaro sobre Itapemirim e defende licença dada à empresa

·3 min de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.09.2021 - O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.09.2021 - O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro da infraestrutura, Tarcísio de Freitas, defendeu nesta segunda-feira (20) a licença dada à Itapemirim para entrar no setor aéreo.

Tarcísio e o presidente Jair Bolsonaro (PL) têm sido criticados por live transmitida em outubro do ano passado em que comemoraram a entrada da companhia no setor e a liberação para voos em meio a um processo de recuperação judicial. O vídeo voltou a circular nas redes no final de semana.

Na live, o presidente desembrulha uma miniatura de ônibus da empresa e comemora o anúncio feito pelo ministro da entrada da companhia rodoviária no setor de transporte aéreo.

Em evento do ministério na manhã desta segunda, Tarcísio afirmou que a empresa cumpriu todos os requisitos para obtenção da licença com a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Segundo ele, o processo de certificação envolveu questionamentos à equipe responsável pela recuperação judicial e ao Ministério Público Estadual, que acompanha o processo.

A licença foi viabilizada pela separação das pessoas jurídicas que operariam o transporte terrestre e o aéreo. Ambas fazem parte do grupo Itapemirim, que enfrenta processo de recuperação judicial desde 2016.

"Havia uma diferença de CNPJ, ou seja, quem está em recuperação judicial é a empresa rodoviária. E esse CNPJ, que nasceu com a empresa aérea, tinha todas as certidões negativas", disse o ministro, em referência às obrigações fiscais, trabalhistas e previdenciárias da nova empresa.

O ministro também defendeu a atuação da Anac na regulação da atuação da empresa, que convivia com atrasos de salários e benefícios de funcionários, suspensão do plano de saúde dos trabalhadores, dívidas com fornecedores, descumprimento de horários, cancelamentos de voos, atendimento criticado por clientes e envio de dados errados sobre número de passageiros para a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

"Em alguns momentos, quando se pensou em vender mais passagens, a agência interviu (sic) imediatamente. E, se não tivesse havido essa intervenção, o problema poderia ser ainda mais grave", disse.

Nas redes sociais, porém, usuários têm criticado a autorização para a empresa operar no setor de transporte aéreo. "Bolsonaro foi garoto-propaganda da Itapemirim, em live. Tá explicada a razão de uma empresa em recuperação judicial obter autorização da Anac para operar sem as mínimas "Itapemirim está fechada com Bolsonaro. E não abre", brincou outro. "Já faz 24 horas que a Itapemirim suspendeu as suas operações após seis meses de atividades, deixou milhares de usuários largados a própria sorte e o ministro @tarcisiogdf que fez reunião com a empresa e levou miniatura pro presidente, ainda não disse NADA", cobrou no domingo (19) uma página anônima que tem divulgado os vídeos relacionados ao caso.

A diretoria colegiada da Anac outorgou a concessão para que a empresa voasse em maio deste ano, em reunião extraordinária e online, feita para análise exclusiva do caso.

A decisão autorizou a empresa a explorar o serviço aéreo público regular e não regular de passageiros, cargas e malas postais, nacionais e internacionais.

A companhia anunciou a suspensão dos voos na sexta (17), após seis meses de operação. A medida afetou pelo menos 40 mil passageiros, segundo o Procon-SP.

Após a interrupção de todos os voos da empresa na semana passada, a Anac suspendeu a comercialização de passagens aéreas da companhia.

No sábado (18), a empresa informou que prioriza a reacomodação em voos de outras companhias dos passageiros que precisam retornar para casa. "Os demais passageiros com viagens de ida e volta, que se encontram em sua cidade de domicílio, serão atendidos prioritariamente com reembolso total dos valores pagos", afirmou, em nota.

A companhia orienta os passageiros a entrar em contato pelo email falecomaita@voeita.com.br ou diretamente com sua agência de viagem.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos