Mercado abrirá em 8 h 54 min
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,17
    +0,09 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.776,10
    -7,30 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    32.735,70
    -1.301,79 (-3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    790,33
    -19,86 (-2,45%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.827,65
    +10,58 (+0,04%)
     
  • NIKKEI

    28.877,21
    +2,32 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    14.306,00
    +43,00 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9255
    -0,0030 (-0,05%)
     

Ministra da Igualdade da França critica cultura do cancelamento

·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Élisabeth Moreno, ministra negra que comanda a pasta de diversidade do governo Emmanuel Macron, criticou a “cultura do cancelamento”, em uma forte repreensão ao chamado “wokeness” nos EUA, termo que indica a consciência sobre questões sociais como racismo e desigualdade.“A cultura ‘woke’ é algo muito perigoso e não devemos trazê-la para a França”, disse a ministra da Igualdade de Gênero e Diversidade da França à Bloomberg, às margens de uma entrevista para a TV na terça-feira. Ela acrescentou que os excessos da cultura do cancelamento “expulsam as pessoas dos debates em andamento porque pensam o contrário”.A ministra de 50 anos, nascida em Cabo Verde, disse que embora a maior consciência sobre as desigualdades sociais, de gênero e raciais e injustiças que surge com a “cultura woke” nos EUA seja uma consequência bem-vinda, ninguém deveria ser excluído do debate.

“As pessoas estão se manifestando, e isso é bom”, disse Moreno. “Todos deveriam lutar contra a discriminação. Você não pode pedir a alguém para não falar sobre um assunto, porque a pessoa não seria legítima. Isso não faz sentido.”

Embora o termo “woke” (do verbo wake, despertar) tenha raízes francesas, sendo rapidamente adotado por algumas pessoas na França, o conceito agora é criticado como uma importação dos EUA, que leva à censura e à intolerância em nome do politicamente correto. A própria Moreno disse uma vez que os homens brancos geralmente são favorecidos quando se trata de encontrar emprego, mas rapidamente acrescentou que não queria usar o termo “privilégio dos brancos”, por ser um termo polêmico nos EUA.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos