Mercado abrirá em 1 h 24 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,76
    +1,56 (+1,99%)
     
  • OURO

    1.773,50
    +9,80 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    16.891,12
    +394,05 (+2,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,76
    +12,04 (+3,10%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.548,14
    +36,14 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.560,00
    +35,25 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4626
    +0,0060 (+0,11%)
     

Ministra da Argentina pede desculpas após dizer que escolheria vitória na Copa em vez de redução da inflação

SÃO PAULO, SP, E BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - A ministra do Trabalho argentina, Kelly Olmos, desculpou-se nesta segunda-feira (14) por afirmar que priorizaria, em um programa televisivo, a vitória de seu país na Copa do Mundo em detrimento do controle da inflação.

"Quero pedir desculpas, não quis dizer que estaremos um mês parados vendo a Copa sem fazer nada pela inflação. Apenas que significará algo importante emocionalmente para os argentinos que ganhemos a Copa. Nós trabalhamos todos os dias para reduzir a inflação", disse Olmos.

No domingo, em entrevista a um programa de variedades do Canal 9, a ministra foi questionada sobre o que preferia: ganhar a Copa ou baixar a inflação. "Depois seguimos trabalhando com a inflação, mas primeiro que ganhe a Argentina", respondeu Olmos.

"Eu acho que é preciso trabalhar todo o tempo pela inflação, mas um mês não vai ser uma grande diferença. E do ponto de vista emocional, do que significa para os argentinos e argentinas, queremos que Argentina seja campeã", afirmou.

O governo argentino anunciou na última sexta-feira (11) um acordo com supermercados e fornecedores de bens de consumo de massa para congelar ou regular os preços de cerca de 1.500 produtos, na tentativa de conter uma inflação que deve chegar a 100% este ano.

O governo peronista de centro-esquerda está lutando contra uma queda na popularidade e protestos de rua, enquanto os preços em espiral minam o poder de compra dos consumidores.