Mercado fechará em 4 h 56 min
  • BOVESPA

    129.638,87
    +871,41 (+0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.183,75
    +53,87 (+0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,65
    +0,80 (+1,10%)
     
  • OURO

    1.790,30
    +12,90 (+0,73%)
     
  • BTC-USD

    34.211,52
    +4.709,09 (+15,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    823,02
    +12,83 (+1,58%)
     
  • S&P500

    4.248,25
    +1,81 (+0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.936,74
    -8,84 (-0,03%)
     
  • FTSE

    7.105,05
    +15,04 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.277,50
    +19,25 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9331
    +0,0133 (+0,22%)
     

Ministra do Canadá aprova acordo histórico do G7

·1 minuto de leitura

Por Julie Gordon

OTTAWA (Reuters) - Um acordo significativo do G7 para buscar maiores taxações globais a grandes empresas mostra que é possível encerrar a corrida por pagamentos menores de impostos e beneficiar o Canadá, afirmou a ministra das Finanças daquele país neste sábado.

Chrystia Freeland falou com repórteres após a reunião em Londres, onde as economias desenvolvidas do G7 concordaram em apoiar uma alíquota corporativa mínima de 15%.

“Mostramos que é possível encerrar a corrida global por taxações mínimas”, disse Freeland, a repórteres. “Empresas multinacionais precisam pagar a sua parte em impostos. O varejo de jurisdição permitiu que elas evitassem fazer isso”.

Freeland afirmou que o assunto era especialmente importante ao Canadá como um “país relativamente com impostos altos”.

As medidas precisarão encontrar um acordo mais amplo em reunião do G20 - que inclui algumas economias emergentes - que deve acontecer no próximo mês, em Veneza. Detalhes importantes ainda precisam ser negociados nos próximos meses.

Ao ser questionada sobre o impacto para empresas canadenses, Freeland disse: “Não entrarei em especificidades... porque eu acho que ainda é um pouco cedo demais”, acrescentando que os detalhes ainda precisam ser explorados.

Freeland afirmou que o Canadá ainda seguirá em frente com o seu próprio imposto a serviços digitais, parecido com o que já existe em outros países do G7, enquanto o grupo continua coordenando um plano de transição.

(Por Julie Gordon em Ottawa)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos