Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.152,46
    -696,14 (-1,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Ministério rejeita proteção a blogueiro bolsonarista preso

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
Oswaldo Eustáquio chamou um pastor para abençoar sua tornozeleira eletrônica (Foto: Reprodução/Twitter)

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos rejeitou incluir em um programa de proteção do governo federal o blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio, preso no âmbito da investigação de atos antidemocráticos contra o Congresso e o STF (Supremo Tribunal Federal).

O Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, Comunicadores e Ambientalistas é destinado a quem “promove e defende os direitos humanos e que, em função de sua atuação e atividades nessas circunstâncias, encontra-se em situação de risco e de ameaça”.

Leia também

Segundo reportagem da revista Época, a pasta comandada por Damares Alves ressaltou que a medida não poderia ser aplicada a pessoas em situação de “privação de liberdade”.

A decisão foi assinada em 4 de dezembro por Douglas Sampaio, coordenador geral de Proteção à Testemunha e aos Defensores de Direitos Humanos da pasta.

A defesa de Oswaldo Eustáquio recorreu da decisão, afirmando ao ministério que a portaria citada foi revogada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em 2019.

Em janeiro, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, concedeu prisão domiciliar a Eustáquio mediante uso de tornozeleira eletrônica. A decisão do magistrado, relator do inquérito que apura a organização de atos antidemocráticos, levou em consideração uma manifestação da PGR (Procuradoria Geral da República).

No parecer sobre o caso, a PGR afirmou que os “autos [do inquérito] não se encontram suficientemente instruídos para possibilitar efetiva análise de autoria e materialidade apta embasar imediata denúncia a ser oferecida junto ao Supremo Tribunal Federal”.