Mercado abrirá em 4 h 17 min
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,13
    -0,29 (-0,35%)
     
  • OURO

    1.782,80
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    65.164,75
    +1.198,36 (+1,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.536,79
    +55,98 (+3,78%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.193,94
    -29,16 (-0,40%)
     
  • HANG SENG

    25.970,63
    -165,39 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.352,25
    -25,25 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4485
    -0,0711 (-1,09%)
     

Ministério volta atrás e libera vacinação de adolescentes contra Covid

·3 minuto de leitura
Adolescentes fazem fila para se vacinarem contra Covid-19 em Betim

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Saúde voltou atrás na noite de quarta-feira e liberou a vacinação contra Covid-19 para adolescentes de 12 a 17 anos com vacinas da Pfizer, uma semana após anunciar a suspensão da imunização alegando que Estados iniciaram o processo antes do previsto e apontando efeitos adversos, como a morte de uma adolescente que soube-se depois não ser relacionada à vacina.

Em entrevista na noite de quarta, o secretário-executivo da pasta, Rodrigo Cruz, afirmou que o ministério avaliou todo o cenário, depois do resultado das investigações que mostraram não haver relação entre a morte e a vacinação, e a avaliação foi de que os benefícios ultrapassam eventuais riscos.

A medida não altera o cenário da vacinação na prática, já que a maior parte dos Estados manteve a vacinação dos adolescentes apesar da suspensão anunciada pelo ministério. Especialmente depois que o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu, em resposta a ações de diversos partidos, que caberia aos Estados decidir pela vacinação ou não dos adolescentes.

"A mensagem-chave é essa. O ministério suspendeu de forma cautelar a vacinação de adolescentes sem comorbidades, passou uma semana investigando as causas que fizeram com que se adotasse essa estratégia de suspensão, e entendeu-se que podemos sim retomar a imunização dos adolescentes", disse Cruz.

Também na quarta, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) confirmou a informação já anunciada pelo Estado de São Paulo de que a morte da adolescente não foi relacionada à vacina. O óbito foi causado, segundo as autoridades, por uma doença autoimune grave que a adolescente tinha previamente.

Na entrevista da noite de quarta, o ministério garantiu também que não vai faltar vacina para imunizar os adolescentes.

Quando anunciou a suspensão, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que os Estados iniciaram a vacinação dos adolescentes antes do previsto pelo Plano Nacional de Imunização (PNI) e, por conta disso, segundo ele, havia falta de doses em alguns Estados, o que também justificaria a suspensão.

A suspensão foi anunciada no dia 16 de setembro, um dia depois da data prevista no PNI para que se começasse a vacinação de adolescentes sem comorbidades, mas Queiroga reclamou que vários Estados tinham já iniciado no final de agosto.

Em uma entrevista confusa, em que teve dificuldade de justificar sua decisão, o ministro misturou a alegação sobre a morte da adolescente em São Paulo --apesar de reconhecer que não havia ainda evidências que confirmassem a relação com a vacina-- , o risco de falta de doses e uma suposta falta de evidências sobre benefícios da vacina entre adolescentes.

Queiroga chegou a dizer explicitamente que mães e pais não deveriam levar seus filhos para vacinar.

A decisão do ministro --tomada sem o conhecimento de técnicos da pasta e da Anvisa-- veio após um pedido do presidente Jair Bolsonaro. No dia anterior, Bolsonaro ficou sabendo da morte da adolescente em São Paulo e ligou para Queiroga.

Segundo Cruz, a decisão de liberar novamente a vacinação foi comunicada previamente a Bolsonaro.

"O ministro sempre conversa com o presidente sobre todas as decisões e nada é feito à revelia do ministro, do presidente. Tudo é sempre conversado. Então, sim, o presidente tem conhecimento do que está sendo apresentado aqui", disse o secretário.

Queiroga, que foi contaminado pela Covid-19 enquanto acompanhava Bolsonaro em viagem aos Estados Unidos, ficou em Nova York para cumprir quarentena. Já Bolsonaro voltou ao país e despacha no Palácio da Alvorada pelo menos até domingo, cumprindo no Brasil a quarentena recomendada a pessoas que tiveram contato com pessoas com Covid-19.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos