Mercado abrirá em 7 h 32 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,14
    -1,52 (-1,84%)
     
  • OURO

    1.801,40
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    59.063,50
    -2.168,69 (-3,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.415,24
    -59,09 (-4,01%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.604,81
    -23,93 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.808,18
    -290,06 (-1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.619,00
    +31,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4263
    +0,0016 (+0,02%)
     

Ministério Público vai avaliar a regulamentação de criptomoedas no Brasil

·2 minuto de leitura

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) criou um grupo de trabalho para avaliar a evolução tecnológica relacionada a criptoativos e seus impactos na esfera jurídica, além de fazer acompanhamento de estudos sobre a possível criação de uma criptomoeda brasileira.

Grupos de trabalho são processos em que órgãos públicos do Brasil criam equipes para criar e focar planos de atuação em áreas específicas. Em maio deste ano, por exemplo, um grupo de trabalho foi criado pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados pára acompanhar a vacinação contra a covid-19 no país.

O novo grupo de trabalho criado pelo MPDFT é composto por procuradores e promotores de Justiça e especialistas nas áreas de Proteção de Dados, Direito do Consumidor, Tecnologia da Informação, Segurança Institucional, entre outras.

A iniciativa do MPDFT é pioneira no Brasil, e é criada com o objetivo de acompanhar o processo de normatização das criptomoedas no Congresso Nacional, além de articular com entidades públicas e privadas o aprimoramento da base de conhecimento do ministério sobre o tema. Por fim, a iniciativa também busca viabilizar oportunidades de capacitação do assunto não só para membros do ministério ou do grupo de trabalho, mas também para a sociedade em geral.

“Não é de hoje que o tema é motivo de atenção por parte MPDFT, mas agora o acompanhamento da evolução dos criptoativos será realizado de forma sistematizada, integrada e multidisciplinar”, declarou Frederico Meinberg, promotor de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.

Histórico do MPDFT com dados

Em 2018 o MPDFT fundou a Unidade Especial de Proteção de Dados e Inteligência Artificial (Espec), primeira iniciativa nacional dedicada exclusivamente à proteção dos dados pessoais e da privacidade da população brasileira.

Também em 2018, o MPDFT obteve a condenação de 13 pessoas pelos crimes contra a economia popular, ocultação de bens, falsidade ideológica e organização criminosa. Os acusados estavam realizando um “golpe de investimento”, em que prometiam lucros de 1% ao dia com a moeda virtual Kriptacoin para os investidores.

Mais recentemente, em 2019, a Espec moveu ação civil pública de danos morais coletivos contra a Atlas Quantum, empresa financeira que estava no mercado de criptoativos. Segundo o processo, houve falta de cuidado da Atlas na proteção das informações pessoais dos cidadãos que confiaram na política de segurança da companhia. O MPDFT pede a condenação das empresas do grupo econômico ao pagamento de R$ 10 milhões pelo vazamento dos dados de mais de 260 mil clientes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos