Mercado abrirá em 1 h 24 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,06
    -0,30 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.782,70
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    49.120,52
    -1.173,16 (-2,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.282,55
    -22,57 (-1,73%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.318,88
    -18,17 (-0,25%)
     
  • HANG SENG

    24.254,86
    +257,99 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.324,75
    -67,50 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2698
    -0,0043 (-0,07%)
     

Ministério Público do Trabalho abre nova frente contra apps de transporte por vínculo de emprego

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O MPT (Ministério Público do Trabalho) ajuizou quatro ações nesta segunda-feira (8) contra Uber, 99, Lalamove e Rappi por fraude em relações trabalhistas.

O órgão defende que existe vínculo empregatício entre as empresas e os motoristas, hoje considerados autônomos.

O MPT quer que a Justiça reconheça a relação e que as empresas garantam direitos trabalhistas, securitários e previdenciários aos motoristas. Também solicita melhores condições de saúde e segurança aos profissionais, além de indenização por dano moral coletivo.

Outras plataformas de transporte e delivery podem entrar na mira do MPT, que está com mais de 600 inquéritos civis em tramitação sobre irregularidades nos vínculos de contratação.

A Amobitec, associação que reúne aplicativos de mobilidade, diz que os motoristas e entregadores atuam de forma independente e sem subordinação trabalhista às plataformas. Segundo a entidade, ao contrário da ação proposta pelo MPT, a grande maioria dos profissionais não deseja ter vínculo com uma plataforma.

"A atividade dos parceiros por intermédio das plataformas é baseada na flexibilidade e autonomia, possibilitando total liberdade na escolha dos dias, horários e formas de trabalho, sem imposição de turnos ou carga horária mínima, garantindo sua livre entrada e saída a qualquer momento, assim como a atuação em diferentes aplicativos", diz a Amobitec em nota.

A entidade destaca decisões anteriores do Tribunal Superior do Trabalho e do Superior Tribunal de Justiça, que afirmaram que motoristas de aplicativos são profissionais autônomos, sem vínculo de emprego com as plataformas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos