Mercado abrirá em 7 h 52 min
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,44 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,45 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,77
    -0,26 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.916,40
    -13,10 (-0,68%)
     
  • BTC-USD

    12.758,21
    +1.701,20 (+15,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,92
    +11,03 (+4,50%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,98 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.720,67
    -33,75 (-0,14%)
     
  • NIKKEI

    23.469,21
    -97,79 (-0,41%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    -80,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6410
    -0,0090 (-0,14%)
     

Ministério Público apura superfaturamento em compra de máscaras pela prefeitura do Rio

Alessandra Saraiva
·1 minuto de leitura

O MPRJ também investiga a aquisição de outros materiais médicos durante pandemia Pixabay O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) informou, em comunicado, a abertura de processo para apurar suspeita de sobrepreço e de superfaturamento em compra de máscaras de proteção, e outros materiais médicos, durante pandemia. As compras foram realizadas pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, e pela Rio Saúde, empresa pública da Cidade do Rio. O inquérito civil visa investigar possível prática de eventuais atos de improbidade administrativa, por meio de contratação emergencial, envolvendo atos de suposto sobrepreço e com posterior superfaturamento, detalhou o ministério público. Os materiais seriam usados para tratamento de pacientes de covid-19. As empresas citadas pelo MPRJ, como participantes do suposto esquema são: empresas RM Comércio, hoje RR Select farm; DBV; China Meheco; Preciosa; Balsamo; Curadh; 2RIOS/MLB²; TERRA TRADING; INFRACON; LR LAGOS. O MPRJ detalhou que um relatório, preparado pelo Tribunal de Contas do Município (TCM-RJ), apurou que as empresas investigadas estão entre as que mais contrataram com o município durante a pandemia de covid-19, para fornecimento de material hospitalar. O inquérito foi instaurado por meio da 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania, informou o MPRJ.