Mercado abrirá em 1 h 14 min

Ministério de Minas e Energia reafirma apoio ao RenovaBio após ações contra metas

·1 minuto de leitura
Abastecimento de veículo em posto de combustíveis em Cuiabá (MT)
Abastecimento de veículo em posto de combustíveis em Cuiabá (MT)

SÃO PAULO (Reuters) - A pasta de Minas e Energia do governo Jair Bolsonaro reafirmou nesta quarta-feira "apoio integral" ao programa RenovaBio, que define metas de descarbonização na comercialização de combustíveis, após distribuidoras terem obtido na Justiça liminar para rever obrigações no âmbito da iniciativa.

O movimento de algumas distribuidoras, por meio da associação Brasilcom, foi criticado na véspera por entidades que representam investidores em açúcar, etanol e biodiesel, os principais emissores de certificados de descarbonização (CBios) que precisam ser comprados para cumprimento das metas.

"O Ministério de Minas e Energia reafirma o seu apoio integral à Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio) e ratifica que as metas compulsórias anuais de descarbonização para a comercialização de combustíveis no âmbito do RenovaBio para o corrente ano estão vigentes e deverão ser cumpridas pelos agentes até dia 31 de dezembro de 2020", disse.

Em nota à imprensa, o ministério destacou que as metas para 2020 já foram reduzidas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em cerca de 50%, reconhecendo impactos da pandemia de Covid-19 sobre o setor, em proposta previamente discutida com os afetados.

"Esse processo participativo foi realizado com total transparência e amplo debate com a sociedade, ao longo dos trinta dias de sua duração. Esse processo conferiu a desejada previsibilidade para o bom funcionamento do setor", afirmou.

(Por Luciano Costa)