Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.163,49
    -71,19 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Ministério da Saúde nomeia Fiocruz para monitorar varíola dos macacos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Nesta quarta-feira (15), o Ministério da Saúde nomeou o Laboratório de Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) para monitorar os casos suspeitos de varíola dos macacos (vírus monkeypox). A unidade passa a analisar amostras do Rio de Janeiro e de toda a região Nordeste.

O Ministério da Saúde considera como caso suspeito ou provável o indivíduo de qualquer idade que, a partir de 15 de março de 2022, apresente início súbito de febre, aumento dos gânglios e erupção cutânea. Segundo a Pasta, também é preciso ficar atento à exposição a materiais contaminados e ao contato físico direito com pessoas que estão suspeitas da varíola dos macacos ou que fizeram viagem a países endêmicos.

Até 14 de junho, foram confirmados mais de 1.700 casos, em 36 países, principalmente na Europa, como Reino Unido (470), Espanha (275), Portugal (231) e Alemanha (229). Na região das Américas, foram diagnosticados casos no Canadá (123), Estados Unidos (65), Argentina (3), México (2) e Venezuela (1). No Brasil já são quatro casos positivos.

“Com a rápida proliferação do vírus pelo mundo, a expertise centenária da Fiocruz na linha de frente contra patógenos emergentes e reemergentes irá se somar a das demais unidades e contribuir para uma precisa resposta brasileira ao surto”, afirma Edson Elias, chefe do Laboratório de Enterovírus do IOC.

Varíola dos macacos no Brasil

Ministério da Saúde nomeia Fiocruz para monitorar varíola dos macacos (Imagem: twenty20photos/Envato)
Ministério da Saúde nomeia Fiocruz para monitorar varíola dos macacos (Imagem: twenty20photos/Envato)

Por enquanto, o Brasil confirmou quatro casos de varíola dos macacos. Além desses, outros cinco suspeitos seguem em investigação. A confirmação mais recente foi no Rio de Janeiro: um brasileiro de 38 anos que mora em Londres (Inglaterra), mas veio ao Brasil no último sábado (11).

Um dos confirmados é do Rio Grande do Sul: um homem de 51 anos, que contraiu o vírus após uma viagem para Portugal. A infecção começou a ser investigada no dia 19 de maio. As outras duas ocorrências ficam em São Paulo (um morador da capital com 41 anos, internado no Instituto de Infectologia Emílio Ribas, e um homem de 29 anos, que está isolado em sua residência em Vinhedo).

Entre os principais sintomas da varíola dos macacos, estão: febre, erupção cutânea e adenomegalia (linfonodos do pescoço). O Canaltech já entrou em detalhes sobre os sinais e sintomas da doença.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos