Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,30
    +0,23 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.801,40
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    34.542,27
    +548,96 (+1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.099,75
    +1,75 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1214
    +0,0012 (+0,02%)
     

Ministério da Saúde deve suspender contrato para compra da vacina Covaxin

·2 minuto de leitura

Nesta terça-feira (29), o Ministério da Saúde anunciou que deve suspender as negociações para a compra da vacina Covaxin contra o coronavírus SARS-CoV-2, desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech e representada, no Brasil, pela empresa Precisa Medicamentos. A decisão sobre o cancelamento da aquisição do imunizante contra a COVID-19 foi comunicada após divulgação de supostas irregularidades do acordo.

"Não é mais oportuno importar as vacinas neste momento", comentou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, sobre os planos de importar o imunizante Covaxin, para o canal CNN Brasil. O contrato para a intenção de compra de 20 milhões de doses da vacina foi assinado pelo país em fevereiro e as primeiras doses deveriam chegar ainda neste ano. No entanto, o acordo se tornou alvo de investigação, após denúncia de um servidor da pasta.

Brasil suspende intenção de compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin (Imagem: Reprodução/Samuel Regan-Asante/Unsplash)
Brasil suspende intenção de compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin (Imagem: Reprodução/Samuel Regan-Asante/Unsplash)

Covaxin, Anvisa e o Brasil

Em paralelo ao contrato com a Saúde, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu novo pedido de uso emergencial da vacina Covaxin contra a COVID-19, solicitado pela Precisa Medicamentos. Em março deste ano, um pedido de importação e distribuição da vacina contra já foi negado pela Anvisa e, no momento, há apenas uma autorização de importação limitada de 4 milhões de doses da fórmula. Até agora, nenhuma dose do imunizante foi aplicada no país.

No início deste mês, a Anvisa autorizou a importação de 4 milhões de doses da Covaxin, a pedido do Ministério da Saúde. No entanto, as doses só poderiam ser utilizadas sob condições estritas, dentro de um estudo de eficácia e com acompanhamento laboratorial pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e da Fundação Getulio Vargas (FGV), por exemplo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos