Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.227,07
    -881,90 (-1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Ministério oficializa intenção de comprar 100 mi de doses da vacina da Pfizer e 38 mi da Janssen

Ricardo Brito e Lisandra Paraguassu
·3 minuto de leitura
Vacinação contra Covid-19

Por Ricardo Brito e Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Saúde confirmou nesta quarta-feira a intenção de comprar doses das vacinas da Pfizer e da Janssen contra Covid-19, conforme edição extra do Diário Oficial da União publicada na noite desta quarta-feira, em mais um passo do governo Jair Bolsonaro para tentar acelerar a compra de imunizantes em meio ao recrudescimento da pandemia no país.

Segundo o DO, o ministério pretende comprar 100 milhões de doses Pfizer e outras 38 milhões de doses da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson. A decisão da pasta de contratar os dois laboratórios para comprar os imunizantes até o final do ano foi viabilizada por uma medida provisória aprovada pelo Congresso que permitiu a dispensa de licitação para esse tipo de contratação.

Pouco antes da publicação do DO extra, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que seguia os trâmites para assinar o contrato para a aquisição da vacina contra Covid-19 da Pfizer "o mais rápido possível".

"Estamos reunidos agora com a presidente da Pfizer e a equipe de jurídico e de contratos da empresa, além de toda a minha equipe do ministério, nós estamos aqui discutindo a possibilidade da contratação da vacina da Pfizer", disse Pazuello em vídeo divulgado por sua assessoria durante encontro com representantes do laboratório norte-americano. Segundo o ministro, isso se tornou uma realidade a partir do projeto de lei aprovado pelo Senado e pela Câmara que autoriza União, Estados e municípios a assumir a responsabilidade civil por eventuais eventos adversos decorrentes da imunização contra a Covid-19 durante a emergência em saúde pública. "A proposta de cronograma que está sendo apresentada para nós é uma boa proposta e a partir de agora a gente segue nos trâmites de fazer esse contrato o mais rápido possível", reforçou ele, ao agradecer a Pfizer por estar "disponível conosco aqui".

Pelo cronograma apresentado pela Pfizer no encontro, segundo uma fonte do governo com conhecimento direto do assunto, a proposta prevê a entrega de 9 milhões de doses até junho, 30 milhões de doses até setembro e outras 60 milhões de doses até dezembro. Nesse cronograma, as doses totalizam 99 milhões e não 100 milhões como consta do DO. Procurada, a Pfizer não comentou a negociação.

O ministro se reuniu nesta noite também com representantes da Janssen.

A Pfizer é até o momento o único laboratório que teve registro definitivo para vacinação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que permitiria uma imunização massiva da população brasileira. O imunizante da Pfizer foi desenvolvido em conjunto com a alemã BioNtech.

O ministério e a Pfizer negociam desde o ano passado a compra da vacina, mas a negociação enfrentava uma série de barreiras, em especial em relação à responsabilização no caso de eventos adversos da vacina.

O governo tem realizado a vacinação emergencial de grupos prioritários com os imunizantes CoronaVac, da chinesa Sinovac e AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, autorizados pela Anvisa para esse tipo de uso.

O Brasil tem apenas cerca de 3% da população vacinada contra Covid-19 até este momento.

TRATATIVAS

O ministério trabalha para ampliar a oferta de imunizantes no programa nacional em meio ao recrudescimento da pandemia no país --nesta quarta, o Brasil bateu um novo recorde de mortes por Covid-19 em um único dia, com 1.910 óbitos.

Mais cedo, o ministério divulgou nota em que disse que Pazuello, durante encontro com representantes dos municípios, também repassou as negociações que estão em andamento para a compra de mais vacinas:

“Já temos contratos alinhados para adquirir a vacina russa Sputnik V. O projeto de lei aprovado ontem pela Câmara facilitou as negociações com Pfizer e Janssen”, afirmou.

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Glademir Aroldi, disse que, no encontro, Pazuello disse a ele que não trabalha com a perspectiva de que os demais entes federados possam comprar vacinas e sim que elas sejam todas adquiridas pelo Ministério da Saúde com base no Programa Nacional de Imunização.