Mercado fechará em 6 h 25 min
  • BOVESPA

    121.085,71
    -28,22 (-0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,17
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.769,40
    -10,80 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    56.384,38
    +1.692,13 (+3,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.276,27
    -22,68 (-1,75%)
     
  • S&P500

    4.178,94
    -6,53 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.076,64
    -124,03 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.008,59
    -10,94 (-0,16%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.958,50
    -71,00 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7494
    +0,0633 (+0,95%)
     

Ministério da Infraestrutura fecha acordo com Banco Mundial para estruturar concessão de ferrovia

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério da Infraestrutura fechou parceria com o Banco Mundial para estruturar o projeto de concessão do corredor ferroviário Leste-Oeste, que liga Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, a Ilhéus, Bahia. Os estudos de viabilidade, a serem feitos pelo Banco Mundial, abrangem a Fico (Ferrovia de Integração do Centro Oeste) e os trechos 2 e 3 da Fiol (Ferrovia de Integração Oeste-Leste), com quase 2 mil quilômetros. O trecho 1 da Fiol, entre Caetité e Ilhéus, na Bahia, tem leilão marcado para o dia 8 de abril. ​O segundo trecho da ferrovia, que segue de Caetité a Barreiras, também na Bahia, está em obras pela Valec, com previsão de conclusão em 2022, segundo o ministério. O terceiro trecho da Fiol, que vai ligar Barreiras a Figueirópolis (TO) ou Mara Rosa (GO), ainda precisará de financiamento para sair do papel. A Fico, ligando Mara Rosa (GO) e Água Boa (MT), vai ser construída pela Vale como contrapartida da renovação da Estrada de Ferro Vitória-Minas. O projeto do segundo trecho da Fico está sendo preparado, com previsão de conectar Água Boa (MT) e Lucas do Rio Verde (MT). Ainda segundo o ministério, os termos de referência para o estudo de viabilidade técnica estão sendo costurados entre a EPL (Empresa de Planejamento e Logística), vinculada à pasta, e a IFC, braço do Banco Mundial.