Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.227,09
    +94,56 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.412,47
    +211,88 (+0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,96
    -0,75 (-1,64%)
     
  • OURO

    1.813,00
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    17.164,88
    +6,06 (+0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    335,96
    -34,56 (-9,33%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.362,93
    -28,16 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    12.153,75
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3408
    +0,0031 (+0,05%)
     

Ministério da Economia prevê levantar R$1,7 bi com venda de 907 imóveis em 2020

Por Marcela Ayres
·1 minuto de leitura
.
.

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Economia previu nesta sexta-feira levantar 1,7 bilhão de reais com a venda direta de 907 imóveis em 2020, com ajuda de nova lei sobre o tema que foi aprovada em junho que trouxe inovações envolvendo sistema de concorrência eletrônica e desconto de 25% após um primeiro leilão deserto ou fracassado.

Em apresentação, o ministério informou que o primeiro lote de imóveis para licitação virtual envolverá 109 imóveis em sete Estados e no Distrito Federal, para arrecadação potencial de 100 milhões de reais.

O secretário de Coordenação e Governança do Patrimônio da União, Fernando Bispo, destacou que a lei 14.011 também abriu as portas para que possa haver proposta de aquisição de imóveis por particular, independentemente de qualquer iniciativa do governo nesse sentido, o que poderá representar um impulso significativo para novas alienações.

Até agora, 177 imóveis já foram vendidos em 2020, a 220 milhões de reais, acrescentou a pasta. Destes, seis foram alienados em leilão, respondendo por cerca de 198 milhões de reais.

Bispo afirmou que a meta de 1,7 bilhão de reais para este ano não contempla imóveis do INSS ou imóveis de aquisição por particular. Quando estes são levados em consideração, a expectativa do governo é de comercialização de 1.900 imóveis, o que pode render em torno de 6 bilhões de reais à União em 2020.