Mercado fechado

Ministério da Economia prevê crescimento do PIB entre 1,4% e 2,9% em 2023

Ministério da Economia, em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Economia projetou nesta quarta-feira uma expansão do PIB em 2023 entre 1,4% e 2,9%, acima das previsões de mercado para o primeiro ano do governo Luiz Inácio Lula da Silva, argumentando que o crescimento estrutural da economia é agora maior do que o verificado no passado recente.

A Secretaria de Política Econômica do ministério afirmou em um relatório que a persistência de erros de previsão para o PIB brasileiro nos últimos três anos pode indicar uma mudança na tendência de crescimento, chamando a atenção para os efeitos positivos no curto prazo de uma taxa de investimento mais alta.

A atual projeção oficial do governo aponta para um aumento de 2,5% do PIB no próximo ano, dado que foi usado na proposta orçamentária enviada ao Congresso, que é questionada por supostamente superestimar as receitas do governo.

Economistas privados calculam que a economia crescerá apenas 0,7% em 2023, de acordo com a mais recente pesquisa Focus do Banco Central.

A secretaria afirmou que os modelos tradicionais de projeções são baseados em observações anteriores e, portanto, podem não responder adequadamente às mudanças estruturais que vêm sendo implementadas desde 2016.

Entre as medidas nesse sentido, a secretaria citou novos marcos legais para diversos setores, que aumentaram o investimento privado.

Para 2023, são esperados quase 82 bilhões de reais em investimentos em parcerias e concessões, acrescentou a secretaria, um aumento de 10% em relação ao previsto para este ano.

"A projeção desta Secretaria pressupõe uma desaceleração da atividade nos países emergentes e desenvolvidos ao longo de 2022, mas não incorpora no cenário básico uma recessão neste e no próximo ano, o que alteraria significativamente as expectativas para o próximo ano", disse o documento.

(Reportagem de Marcela Ayres)