Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.121,36
    -1.458,43 (-2,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Ministério da Economia indica Eduardo Luiz Gonçalves Rios Neto para comandar IBGE

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou Eduardo Luiz Gonçalves Rios Neto para assumir a presidência do IBGE após a saída de Susana Cordeiro Guerra, informou o instituto em nota nesta quarta-feira.

Guerra pediu demissão do cargo no final de março, um dia depois de o Congresso aprovar o Orçamento de 2021 com um corte brutal de recursos para o censo demográfico que estava previsto para ser realizado este ano.

Segundo nota do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Rios Neto é o atual diretor de pesquisas do IBGE. Ele é formado em Economia e possui doutorado em Demografia.

Também é professor titular aposentado da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e membro da Academia Brasileira de Ciências.

O IBGE informou ainda que a nomeação de Rios Neto será publicada no Diário Oficial nos próximos dias pelo Ministério da Economia, que confirmou a informação.

O censo deveria ter sido realizado em 2020 pelo IBGE, mas foi adiado para este ano por causa da pandemia da Covid-19. A lei orçamentária, no entanto, cortou a previsão de despesa com a pesquisa nacional a apenas 72 milhões de reais, de uma proposta inicial do governo de cerca de 2 bilhões de reais --que já representava uma diminuição do pedido original do IBGE por 3 bilhões de reais.

O levantamento do censo faz uma radiografia do país e ajuda na formulação de políticas públicas, além de contribuir com parâmetros para a transferência de recursos da União aos fundos de participação dos Estados e dos municípios (FPM e FPE).

(Por Camila Moreira em São Paulo e Rodrigo Viga Gaier no Rio de Janeiro)