Mercado fechará em 1 h 7 min
  • BOVESPA

    122.074,50
    +1.725,70 (+1,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.235,48
    +343,20 (+0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,10
    -0,26 (-0,50%)
     
  • OURO

    1.835,90
    +6,00 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    35.721,69
    -337,19 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    695,13
    -40,01 (-5,44%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.811,75
    +9,50 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3611
    -0,0315 (-0,49%)
     

Ministério da Economia estuda antecipar pagamento de 13º de aposentados no ano

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O governo estuda adiantar em 2021 parte dos pagamentos do 13º de pensionistas e aposentados e também do abono salarial como forma de conter o baque à economia do fim do auxílio emergencial, disse à Reuters nesta terça-feira uma fonte do governo com conhecimento direto do assunto.

Normalmente, a primeira parcela do 13º da Previdência, com 50% do valor do pagamento, é paga com o benefício de agosto e a segunda parte, com o de novembro. A ideia da equipe econômica é antecipar parte do pagamento para o primeiro semestre.

No ano passado, o 13º do INSS foi integralmente pago no primeiro semestre, no valor total de 47,5 bilhões de reais, como uma das medidas de enfrentamento ao impacto econômico da pandemia da Covid-19.

Agora, em meio ao recrudescimento da pandemia e ao fim dos pagamentos do auxílio emergencial, o governo quer retomar parcialmente o expediente, que não impacta a despesa total do ano, sujeita à regra do teto de gastos que limita o crescimento das despesas à variação da inflação.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já afirmou que o governo, que começou o ano sem que o Congresso tenha aprovado o Orçamento para 2021, teria condições de antecipar benefícios para "calibrar a aterrisagem da economia".

Guedes também disse que, diante de uma segunda onda da pandemia, o governo teria condições de adotar medidas de enfrentamento na linha do que foi feito em 2020, mas que ainda não haveria clareza sobre essa necessidade.

O Palácio do Planalto não comentou o assunto e disse que a imprensa deveria encaminhar demanda ao Ministério da Economia. Procurado, o ministério ainda não comentou.

(Por Isabel Versiani, com reportagem adicional de Ricardo Brito)