Mercado abrirá em 2 h 13 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,16
    +0,98 (+1,63%)
     
  • OURO

    1.743,80
    -3,80 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    64.191,30
    +1.548,06 (+2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.384,47
    +90,48 (+6,99%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.901,55
    +11,06 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.999,25
    +23,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8359
    +0,0047 (+0,07%)
     

Ministério da Economia eleva projeções para a inflação em 2021

FÁBIO PUPO
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Economia manteve a projeção de crescimento para o PIB (Produto Interno Bruto) em 3,2% em 2021, apesar do avanço da pandemia de Covid-19 e da perspectiva de novos fechamentos de atividades. Já as projeções para a inflação subiram. Os números foram divulgados nesta quarta-feira (17) pela Secretaria de Política Econômica e atualizam as projeções feitas pela última vez em novembro de 2020 pela pasta. Os técnicos afirmam que as incertezas são elevadas com os desafios de enfrentamento à pandemia, mas que indicadores no primeiro bimestre apontam continuidade da recuperação da atividade econômica. O indicador está alinhado ao esperado pelo mercado, que tinha uma projeção para o PIB mais alta do que a do governo e reduziu as expectativas recentemente. De acordo com o boletim Focus (que traz projeções de analistas compiladas pelo Banco Central), o crescimento esperado de 3,43% há quatro semanas caiu para 3,26% há uma semana e baixou para 3,23% no boletim da última segunda-feira (15). O PIB caiu 4,1% no ano passado. O Ministério também atualizou os dados esperados para a inflação, com aumento em todos os indicadores. A projeção para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu de 3,23% para 4,42%. A estimativa para o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) subiu de 3,2% para 4,27%. A projeção para o IGP-DI (Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna) saiu de 4,38% para 5,06%. Esse índice tem uma abrangência maior do que apenas o consumidor final, englobando também o setor atacadista.