Mercado fechará em 6 h 15 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,18
    -0,29 (-0,37%)
     
  • OURO

    1.894,00
    +3,30 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    22.643,29
    -539,36 (-2,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    521,72
    -15,17 (-2,83%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.947,78
    +62,61 (+0,79%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.689,00
    +143,75 (+1,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6180
    +0,0506 (+0,91%)
     

Minicérebros respondem pela primeira vez a estímulos com luz

Mais um capítulo na saga dos minicérebros, que têm ajudado os cientistas a desvendar o órgão mais complexo do corpo humano. Um novo artigo publicado na Nature Communications descreve pela primeira vez a interação com estímulos de luz. O resultado pode ajudar a restaurar regiões cerebrais perdidas ou degeneradas, no futuro.

Os organoides transplantados em camundongos foram conectados ao sistema vascular e reagiram a pulsos de luz direcionados em seus olhos de maneira semelhante ao tecido cerebral. É a primeira vez que os cientistas foram capazes de confirmar conexões funcionais em um organoide de cérebro humano transplantado em tempo real.

A equipe usou microeletrodos flexíveis e transparentes feitos de grafeno que podem ser implantados em certas partes do cérebro. Essa tecnologia exibe com precisão os picos de atividade neural do organoide transplantado e do tecido cerebral e permitiu aos pesquisadores descobrir que os minicérebros formaram conexões sinápticas funcionais com o restante do córtex visual dos camundongos.

“Prevemos que, mais adiante, essa combinação de células-tronco e tecnologias de neurogravação será usada para modelar doenças sob condições fisiológicas, examinar tratamentos e avaliar o potencial dos organoides para restaurar dados específicos perdidos", estimam os especialistas.

Minicérebros respondem pela primeira vez a estímulos com luz (Imagem: Nadezhda Moryak/Pexels)
Minicérebros respondem pela primeira vez a estímulos com luz (Imagem: Nadezhda Moryak/Pexels)

Minicérebros na ciência

Anteriormente, minicérebros testados em laboratório desenvolveram pequenos "olhos", que ajudaram a entender melhor o processo de diferenciação e desenvolvimento ocular, bem como as doenças oculares. A partir disso, os cientistas envolvidos passaram a estudar as interações cérebro-olho durante a fase embrionária, modelar distúrbios retinais congênitos e gerar tipos de células retinais específicas do paciente para testes de remédios personalizados e terapias de transplante.

Os minicérebros também já permitiram a compreensão de uma variação genômica associada ao autismo: a 16p11.2. Com isso, os cientistas obtiveram informações sobre os mecanismos moleculares que funcionam mal quando a região 16p11.2 do genoma é interrompida.

Em outubro do ano passado, cientistas chegaram até mesmo a infectar minicérebros com covid-19 para entender os danos gerados pela doença e se surpreenderam com o resultado. Os minicérebros usados ​​neste estudo apresentavam células cerebrais chamadas micróglia, que podem ajudar a proteger o cérebro. O estudo sugere que a micróglia foi excessivamente eliminada nas sinapses ao combater a infecção por SARS-CoV-2.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: