Mercado fechado

Mini Cooper voltará às origens e ficará menor na próxima geração

feedback@motor1.com (Dyogo Fagundes)
MINI-Rocketman-Classic-MINI

Em compensação, haverá um SUV maior que o Countryman na nova família

Depois de ter acumulado sucessivos aumentos de porte nas últimas gerações, o Mini Cooper voltará às origens e ficará ligeiramente menor na próxima linhagem. Atualmente em desenvolvimento e com lançamento programado para 2022 ou 2023, a nova encarnação é descrita como uma volta ao passado do modelo, e vem recebendo atenção especial dos projetistas.

Em entrevista recente, o chefão da empresa, Bernd Körber, deu detalhes sobre a novidade e confessou estar feliz com a possibilidade de fazer um Cooper menor. "Felizmente, na próxima geração, podemos torná-lo mais compacto, de volta às origens. Estamos tendo discussões de proporção e design no momento. A tarefa agora é projetá-lo", completou.

Assim como hoje, a gama seguirá composta pelas carroceria de duas e quatro portas, além das variações Clubman (perua) e Countryman (SUV). O que mudará será a chegada de um novo integrante, maior do que todos estes, batizado de Traveller. A novidade ficará no topo do portfólio e terá formato de SUV, sendo a opção da marca para mercados de grande volume que cada vez mais compram utilitários. “O Countryman é um SUV muito pequeno. Nos EUA e na China, existem certas necessidades. Vamos olhar para um SUV maior na próxima geração. Existem muitos benefícios em um carro como esse para uso urbano. Para mim, é uma boa combinação", disse Körber.

Leia também:

A plataforma a ser usada nos modelos maiores (Clubman, Countryman e Traveller) será a arquitetura FAAR de tração dianteira nativa da BMW. Na linha Cooper, há rumores sobre a adoção de uma base inédita desenvolvida em parceria com os chineses da Great Wall. A oferta de motores seguirá com propulsores tradicionais a combustão, mas terá também conjuntos 100% elétricos. Dentro de 10 anos, Körber acredita que a Mini se tornará uma marca puramente elétrica.