Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,41
    +0,51 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.834,00
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    58.100,57
    -902,08 (-1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,85 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.739,25
    +29,50 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3689
    +0,0023 (+0,04%)
     

Minerva Foods quer zerar emissões líquidas de carbono até 2035

·2 minuto de leitura
Trabalhador carrega peças de carne bovina em um açougue em São Paulo

SÃO PAULO (Reuters) - A Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, anunciou nesta quinta-feira a meta de se tornar "carbono neutro" até 2035 e disse que investirá até 1,5 bilhão de reais em projetos que ajudem a reduzir as emissões em toda a cadeia produtiva até a data anunciada.

"A companhia se compromete a reduzir em 30% a intensidade das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) nos escopos 1 e 2 até 2030; e a manter sua matriz energética carbono neutro com 100% da energia advinda de fontes renováveis – meta já alcançada em 2020."

A empresa disse em comunicado que o primeiro compromisso é garantir o fim do desmatamento ilegal em toda a cadeia de abastecimento na América do Sul.

"Seguiremos com o monitoramento geográfico em todos os territórios do Brasil e vamos expandir para 100% dos fornecedores diretos no Paraguai, em 2021; na Colômbia, em 2023; no Uruguai, em 2025; e nos demais países do continente até 2030", disse em nota o diretor de Sustentabilidade da empresa, Taciano Custódio.

Até o fim deste ano, a Minerva disse que irá integrar a ferramenta Visipec a seu sistema de monitoramento geográfico para a Amazônia, que proporciona uma avaliação de riscos relacionados às fazendas fornecedoras indiretas. A ferramenta foi desenvolvida pela Universidade de Wisconsin em parceria com a National Wildlife Federation (NWF).

Além disso, os produtores rurais receberão a mesma tecnologia geoespacial que a companhia utiliza para obter melhores resultados de monitoramento no setor, por meio de um aplicativo de verificação de fornecedores desenvolvido pela Niceplanet Geotecnologia. O benefício será disponibilizado até dezembro deste ano no Brasil, e nos demais países até 2030.

A Minerva também afirmou que irá inserir 50% dos fornecedores de carne bovina no Novo Programa de Baixa Emissão de Carbono até 2030.

"Temos o entendimento de que a corrida para emissão líquida zero deve ser um esforço coletivo. Por isso, estamos envolvidos em parcerias e coalizões com o objetivo de abordar as mudanças climáticas e impulsionar a sustentabilidade do setor", enfatizou Custódio.

O Brasil detém um dos maiores rebanhos comerciais do mundo, e fazendas de gado são vistas como uma das causadoras do desmatamento na floresta amazônica.

O metano, um gás causado pela digestão do gado e outros ruminantes, também é uma importante fonte de emissões de gases de efeito estufa --daí o engajamento do setor de frigoríficos para mitigar as emissões.

No mês passado, a concorrente JBS se comprometeu a zerar o balanço de suas emissões de gases de efeito estufa até 2040 nas operações globais, com o auxílio de um investimento de 1 bilhão de dólares em soluções nos próximos 10 anos.

(Por Nayara Figueiredo; Edição de Luciano Costa)